28 março 2011

Proletários, uní-vos!

No sábado, ao chegar mais uma vez na UEM para o tradicional almoço no Restaurante Universitário (comida boa e barata), percebi uma movimentação diferente. Os alunos do DCE se mobilizaram e encamparam a luta dos funcionários do RU por melhores condições de trabalho. Louvável. No sábado, em protesto, o almoço não foi cobrado, e os estudantes é que serviram a comida, entre uma explicação e outra no mega-fone para os presentes. Abaixo, carta distribuída na entrada no RU sábado. Todo apoio à luta dos trabalhadores. RU-1 para além da comida! Há muitos anos o RU-1 sofre por falta de servidores e boas condições de trabalho. Quando o ex-reitor Décio Sperandio se comprometeu com a comunidade em abrir o Restaurante para servir café da manhã e almoço aos sábados (tudo para conquistar os votos dos alunos e dos servidores usuários do RU-1), esqueceu-se que servir café e almoço não depende só de comida. Depende, acima de tudo, de um grupo de servidores que possam atender a demanda sem sobrecarga de serviços e em condições dignas de trabalho. Este ano, sob nova administração, a UEM quis manter o restaurante funcionando normalmente, mas as condições de trabalho foram alteradas, fazendo com que os servidores não queiram mais fazer horas extras aos sábados. O chefe do RU-1 tem usado e abusado do assédio moral e do autoritarismo sobre esses servidores nas condições impostas atualmente. A atitude do chefe é natural daqueles que usam de coação por não terem capacidade de dialogar e argumentar. Os servidores lotados no RU não estão exigindo nada além do que é de direito: pagamento das horas extras trabalhadas, melhores condições de trabalho e, sobretudo, que o Chefe do RU seja destituído do cargo, por não ter capacidade administrativa para exercê-lo. Foi feito um abaixo-assinado pedindo a destituição do chefe, porém até o momento a administração da UEM não atendeu, nem se manifestou oficialmente. As condições estruturais do RU-1 são péssimas: faltam servidores, faltam panelas, faltam equipamentos, banheiros adequados e uma infinidade de outras necessidades para um bom atendimento à comunidade. Falta também a construção de um RU-2, pois o espaço físico do RU-1 cresceu, há cerca de sete anos, mas mesmo assim não acompanhou a expansão do contingente da Universidade. Porém, SOBRAM filas enormes; SOBRA arrogância da chefia; SOBRA serviço; SOBRA falta de respeito; SOBRAM alunos descontentes com o cardápio; e, infelizmente, SOBRAM as reclamações dos servidores que não são atendidas pela administração da UEM. Os servidores do RU-1 solicitam o apoio de toda a comunidade universitária na luta por melhorias nas condições de trabalho e que a administração da UEM forme, imediatamente, uma comissão de negociação com um interlocutor que tenha real poder de decisão. Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História.

2 Comentários:

Às 28/3/11 12:29 PM , Blogger PROF ROBERTO disse...

Mais um exemplo da falta de política pública com qualidade: é preciso analisar que NÃO basta ter comida, QUEMN e COMO faz também é princípio para um trabalho digno. Todo nosso apoio a essa luta.

 
Às 29/3/11 6:31 AM , Blogger PROF ROBERTO disse...

Opa, a mobilização ja teve resultados: demissão do chefe do RU; agora, só colocar pessoas competentes que atendam as reivindicações justas do sindicato e do DCE.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



Free counter and web stats