31 dezembro 2010

Obrigado Lula:

Hoje é o último dia dos oito anos de governo do melhor presidente que este país já teve. Claro que seu governo não foi perfeito, mas conquistamos importantes avanços. Não vou aqui enumerá-los, até porque o leitor mais atento desde Blog já teve acesso à todos os dados comparativos, principalmente no período eleitoral.

Quero apenas deixar registrado que, a última medida do presidente Lula foi a corajosa decisão de não extraditar o perseguido político italiano Cesare Battisti. Claro que você vai ver na TV o bombardeio de críticas à decisão de Lula, mas postei aqui no Blog ano passado um texto intitulado “O que a mídia não contou sobre o caso Cesare Battisti”. Clique e leia.

Por Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

26 dezembro 2010

O Especial que a Globo não mostrou:

Todo mundo sabe que o Especial de Natal da Rede Globo sempre tem o “rei” Roberto Carlos. Ontem a noite, ao vivo da praia de Copacabana pudemos acompanhar mais um belo espetáculo.

No entanto, que a Globo não mostrou foi o transtorno que aquela mega-produção causou aos moradores da região. Assista ao vídeo.


Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

24 dezembro 2010

Papai Noel filho da p*:

Para aqueles que ainda acham que Natal é sinônimo de consumismo, clipe da música "Papai Noel filha da p*" dabanda de punk brasileira Garotos Podres. Como diz a letra: "porco capitalista que presenteia os ricos e cospe nos pobres". Feliz Natal a todos. "ho ho ho".


Por: Cássio Augusto - professor e mestrando em História UEM.

23 dezembro 2010

NATAL: Jesus ou Papai Noel?

Aproxima-se o Natal. Curioso como, numa sociedade tão laicizada como a nossa, na qual predomina a tendência de escantear a religião para a esfera privada, uma festa religiosa ainda possa constituir um marco no calendário dos países do Ocidente.

Há nisso uma questão de fundo: o ser humano é, por natureza, lúdico e sociável, o que o induz a ritualizar seus mais atávicos gestos, como alimentar-se ou se relacionar sexualmente. Além de elaborar, condimentar e enfeitar sua comida, o que nenhum outro animal faz, o ser humano exige mesa e protocolo, como talheres e a sequência prato forte e sobremesa.

No sexo, não se restringe ao acasalamento associado à procriação. Faz dele expressão de amor e o reveste de erotismo e liturgia, embora o pratique também como degradação (prostituição, pornografia e pedofilia) e violência (jogo de poder entre parceiros).

O Carnaval, como o Natal, era originariamente uma festa religiosa. Nos três dias que antecedem a Quaresma, período de jejum e abstinência recomendados pela Igreja, os cristãos se fartavam de carnes – daí o termo Carnaval, festival da carne. Resume-se, hoje, a uma festa meramente profana, onde a carne predomina em outro sentido...

Essa transmutação ocorre também com o Natal. Por ser festa de origem cristã, para celebrar o nascimento de Jesus, a sociedade laica a descaracteriza pela introdução da figura consumista de Papai Noel. O que deveria ser memória da presença de Deus na história humana, passa a ser mero período de miniférias centrada em muita comilança e troca compulsiva e compulsória de presentes.

Daí o desconforto que todo Natal nos traz. Como se o nosso inconsciente denunciasse o blefe. Sonegamos a espiritualidade e realçamos o consumismo. Ótimo para o mercado. Mas o será também para as crianças que crescem sem referências espirituais e valores subjetivos, sem ritos de passagem e senso de celebração?

Longe de mim pretender restaurar a religiosidade repressiva do passado. Mas se há algo tão inerente à condição humana, como a manutenção (comer) e a procriação (sexo) da vida, é a espiritualidade. Ela existe há cerca de um milhão de anos. As religiões são recentes, surgiram há menos de dez mil anos.

Se a espiritualidade não é fomentada na linha da interiorização subjetiva e da expressão de conexão com o Transcendente, ela corre o sério risco de, apropriada e redirecionada pelo sistema, cais na idolatria de bens materiais (patrimônio) e de bens simbólicos (prestígio, poder, estética pessoal, etc). Talvez isso explique por que a maioria dos shopping centers tem linhas arquitetônicas similares a catedrais pós-modernas.

Já não são princípios religiosos que norteiam a nossa vida. Desestimulados ao altruísmo e à solidariedade, centramos a existência no próprio umbigo – o que certamente explicas, na expressão de Freud “o mal-estar da civilização”, hoje acrescido desse vazio que gera tanta angústia, ansiedade e depressão.

Com certeza o Natal é ocasião própria para, como propões Jesus a Nicodemos, nascer de novo...

Frei Betto – Revista Caros Amigos – Novembro/2010.

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

21 dezembro 2010

Divulgando...

Ação entre amigos em prol de Julio César Szczuk

1º prêmio 01 novilha – ganhadora: Naísa Ferreira Aguirre
2º prêmio 01 novilha – ganhador: Júnior Rosa
3º prêmio 01 aparelho de dvd – ganhadora: Gleyse Freire
4º prêmio 01 gril – ganhadora: Bárbara C. Fontana

Obrigado aos colaboradores que garantiram o pleno sucesso desta missão.

Apoio:Grafica Laser – Farmaveit – APA Associação de Portos de Areia – Papelaria Príncipe Encantado – Nutrivel – Bragagnolo Natal Representações – Incol – Miguel Anziliero – Vico – Auto Posto Nova Londrina – Ademir Mazzotti – Natal Pupio – Academia Pró-Forma.

Por: Miguel Pinheiro Anziliero.

20 dezembro 2010

Pseudo burguês:

Esta postagem vai pra você, pseudo burguês que anda por aí dando uma de bacana. Você que ganha seus quinhentos contos e quer se comportar como quem ganha no mínimo cinco mil reais.

É importante falarmos de você, pseudo burguês que rasga seda para os ricos e não se dá conta que eles te detestam, pois se você não sabe, o verdadeiro burguês não gosta de pobre. Nos dirigimos a você, que se ilude com esta paranóia de pensar que é rico, você, com seu “tenão da Nike¹”, sua camiseta da Acostamento, ou sua calça da Colcci comprada em 15 “suaves parcelas”.

Você, que diz que faz e acontece, mas, não faz idéia o quanto todos zombam de você nesta sua auto avaliação de viajar, em seu planeta imaginário, pensando que engana Deus e o mundo ao se dizer que é o pegador e que já transou com todas as meninas da cidade.

Queremos aqui, nos dirigir a você, pseudo burguês do celular de última geração, porém, sem crédito, você que paga pau com o carro que seu pai comprou a duras penas e que as prestações exorbitantes causam insônia em seu pobre velho. Pseudo burguês que liga o som do carro do papai a toda altura e à noite, desfila no bobódramo² da cidade pensando que toda a galáxia está morrendo de inveja de você.

Nossa homenagem a você rei da hipocrisia, com sua mente cheia de vento, você que se julga esperto, inteligente enquanto o resto das pessoas do mundo inteiro são idiotas. Você sabichão que dispensa conselhos e acha que ter uma vida desregrada é viver intensamente.

Pseudo burguês do mundo da lua, o alienado que mais dias menos dias quebrará a cara e nem assim aprenderá, pseudo burguês que é marginalizado e nem se dá conta disso.

Enfim, nossa homenagem a você, pseudo burguês de mente oca, cuja inteligência é uma mata virgem e jamais desbravada, você que sabe que não tem onde cair morto, mas vive nesta alucinação de pensar que é rico.

Um viva a você, garoto que se acha o tal, mas na verdade, oferece ampla margem para as pessoas te ridicularizar enquanto você pensa que está abafando e que é o dono do mundo.

Continue assim, mas aprenda se for capaz que, viver é melhor que sonhar.

Por: Mateus Brandão de Souza, pobre financeiramente e graduado em história pela FAFIPA.

*1-Tenão da Nike: Tênis novo da marca Nike é o sonho de consumo de todo pseudo burguês.
*2-Bobodramo: Local da avenida onde os bobos ficam desfilando com o carro, subindo e descendo por dezenas de vezes consecutivas tentando chamar a atenção de alguém.

18 dezembro 2010

Agora vai... 16ª Noite Reggae de NL:

A festa mais tradicional de Nova Londrina; A festa mais PAZ e AMOR da região noroeste; A festa mais aguardada está de volta e em grande estilo... 16ª NOITE REGGAE DE NOVA LONDRINA – PR.

Dia 12 de fevereiro de 2011
Na Chácara Correntão em Nova Londrina – PR.

Com as super bandas curitibanas NAMASTÊ e DJAMBI.

Acesse o site: http://www.noitereggaenl.blogspot.com/ e tenha mais informações, fotos das outras edições, notícias sobre as bandas e downloads.

“O Reggae é música de paz, amor e união... vem comigo!”

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

16 dezembro 2010

Imoral e engorda!

Todo mundo que vive no Brasil sabe que ontem o Congresso Nacional aprovou a justa equiparação salarial entre o judiciário, legislativos e executivo, afinal, como na república temos três poderes independentes e harmônicos entre si, ambos devem ganhar o mesmo valor.

O que não é moralmente aceito é o valor. Serão R$ 26,7 mil por mês, fora as verbas de gabinete, auxílio moradia e passagens aéreas. Quem paga a conta, somos nós, é claro!

O projeto de Lei foi votado em uma velocidade surpreendente para os padrões do Parlamento. Dos 513 deputados existentes na Câmara, apenas 317 participaram da votação. Deste total, apenas 35 foram CONTRA a equiparação.

Dentre os principais partidos políticos, foram contra: 9 do PT; os 3 do PSOL; 4 do PSDB; 2 do PSB; 3 do PMDB; 2 do PPS; 4 do PV; 1 do PTB; 2 do PDT; 1 do DEMOcratas;

No Paraná, tivemos os votos contrários de: Assis do Couto (PT); Gustavo Fruet (PSDB); Reinhold Stephanes (PMDB) e Takayama (PSC).

Clique aqui e veja a lista completa. Caso seu deputado não seja encontrado em nenhuma das listas, é pior ainda, pois significa que ele não estava na reunião.

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

15 dezembro 2010

Apenas o PT na oposição a Beto Richa:

Aqueles que conhecem um pouco os bastidores da política no Paraná já esperam por isso. O PDT de Osmar Dias, liderado pelo deputado Augustinho Zucchi foi o primeiro a aderir ao governo Beto Richa.

Agora, o PMDB faz o mesmo. O até então cotado para disputar a presidência da Assembléia Legislativa o estado, o deputado Luiz Cláudio Romanelli assumirá a secretaria do Trabalho. Assim, no espectro de opositores ao modo Beto Richa/PSDB de governar, teremos apenas o PT com sete valentes deputados.

Isso é uma afronta ao eleitor paranaense que votou no “chapão da oposição” ou seja, na coligação PDT, PMDB e PT, esperando que os três honrassem as palavras proferidas no palanque das eleições. Estes deputados que “migraram para as tetas do poder” já se esqueceram das críticas que fizeram à Beto/Lerner/PSDB/DEMOcratas e as defesas do excelente governo de Roberto Requião. Uma lástima!

Justiça seja feita, o deputado João Arruda do PMDB já divulgou carta dizendo que manterá o compromisso de não ser subserviente à Beto Richa.

A bem da verdade, do PMDB já esperava-se esta postura. Quem estuda um pouco de história sabe que estes caciques adoram o poder, esteja ele com quem estiver.

Ao povo paranaense, resta apenas contar com a oposição do PT na Assembléia Legislativa e com um ou outro deputado não submisso. Parabéns ao Presidente Estadual do PT, deputado Ênio Verri por manter a coerência partidária. Caiu no colo da senadora Gleisi Hoffmann a figura de principal líder da oposição no Paraná, e que venha 2014.

Mais informações aqui e aqui. Sobre a política paranaense, vejam sempre o Blog do Esmael Moraes.

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando História UEM.

13 dezembro 2010

O problema das Audiências Públicas:

Em determinadas condições o parlamento pode chamar Audiências Públicas para debater diretamente com representantes da sociedade temas mais contundentes. Em outras, como no caso das Leis Orçamentárias, o parlamento fica obrigado por força de lei a chamar Audiências Públicas abertas à participação de todos;

(...)

De elemento de democratização do Estado as formas participativas podem facilmente se transformar em elementos de apropriação da coisa pública em nome de interesses privados.

A maioria absoluta das formas participativas acaba por se transformar em instrumento, mais um, de grupos de poder. No fim do dia aquilo que deveria ser elemento de maior permeabilidade do Estado à sociedade acaba se transformando em instrumento de controle e manipulação da demanda social.

O exemplo das manipulações feitas nos municípios com base no uso do Estatuto das Cidades e das Audiências Públicas com base no Plano Diretor de Ordenamento Territorial, o PDOT. O descaso dos partidos e do movimento social tem viabilizado a manipulação dos planos pelos grandes grupos empresariais ligados à construção civil.

Trecho do site da Fundação Astrojildo Pereira.

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

10 dezembro 2010

O que são os Wikileaks:

O mundo inteiro tem falado sobre a polêmica dos WikiLeaks. Você sabe o que é isso? Trata-se de um site onde o seu dono publica documentos confidenciais que vazaram. Lá tem milhares de documentos da embaixada dos EUA, como sobre os crimes no Afeganistão e no Iraque.

O problema é óbvio, uma vez que, conforme Renato Pompeu à Caros Amigos, comprova “a onipresença da rede de informações do Império norte-americano, a arrogância de seus diplomatas, a subserviência dos funcionários dos governos de outros países aos Estados Unidos.”

Leia a reportagem abaixo e tire as suas próprias conclusões sobre o tema! Para aqueles que insistem em negar que haja um Imperialismo Yanke, os WikiLeaks são a prova definitiva. Os bastidores do poder estão à nu.

WikiLeaks: a embaixada americana acreditou na mídia
Por Adhemar João da Silva

Sobrou até para o Willian Waak a última divulgação sobre o Brasil da Wikileaks.
Wikileaks Brasil - Natália Viana

http://cartacapitalwikileaks.wordpress.com/

Dilma Roussef na Saúde e na Doença

Não foi só a saúde da presidente da Argentina, Cristina Kirchner, que foi alvo da curiosidade do governo americano. A presidente eleita do Brasil, Dilma Rousseff, também teve detalhes do seu estado de saúde investigados pela embaixada americana em meados do ano passado, quando sofreu de câncer linfático.

Documentos publicados hoje pelo WikiLeaks também revelam que o ex-embaixador americano em Brasília, John Danilovich, relatou que ela havia planejado três assaltos quando era integrante da organização VAR-Palmares.

Dilma Rousseff nega qualquer participação em ações armadas durante o regime militar.
Ao todo, o WikiLeaks publica hoje 9 documentos que mostram como a representação americana acompanhou de perto a trajetória de Dilma e o processo eleitoral brasileiro – que, aliás, a própria Hillary Clinton classificou de “bizantino”.

Joana D´Arc

Dilma Rousseff começou a chamar a atenção da embaixada quando tomou posse como Ministra-Chefe da Casa Civil. Um relatório especial a seu respeito foi elaborado e enviado em 22 de maio de 2005. Apesar de “não classificado”, o telegrama traz uma porção de temas sensíveis e algumas gafes. Um dos títulos é, por exemplo, “Joana D’Arc da Subversão se torna Chefe da Casa Civil” – uma referência à alcunha dada pelos agentes da repressão.

O documento afirma que ela teria planejado o “legendário” roubo ao cofre do corrupto prefeito de São Paulo, Adhemar de Barros, no qual a VAR-Palmares obteve 2,5 milhões de dólares.

“Integrando vários grupos clandestinos, ela organizou três assaltos a banco e depois co-fundou o grupo guerrilheiro Vanguarda de Palmares”, diz. Dilma sempre negou qualquer participação em ações armadas.

O documento escrito pelo embaixador John Danilovich observa que ela foi presa por mais de três anos e torturada de forma “brutal” com eletrochoques.

A seguir, entra em detalhes pessoais ao estilo de uma revista de celebridades: “Ela tem uma filha, Paula, em Porto Alegre, onde passa os fins-de-semana. Gosta de filmes e música cássica. Perdeu peso recentemente após ter adotado a dieta do presidente Lula”.
O documento diz ainda que Dilma é vista como “cabeça-dura, uma negociadora difícil e detalhista” e revela que as empresas americanas tiveram receio quando ela se tornou ministra de Minas e Energia, mas “agora admitem que ela fez um trabalho competente”.

Rumo à eleição

O assessor da embaixada em Brasília, Phillip Chicola, relatou a Washington que Dilma Rousseff aumentou muito as suas chances de ser a candidata do PT depois da sessão no Senado em 7 de maio de 2009.

Dilma foi chamada para explicar o PAC (Plano de Aceleração do Crescimento) e acabou tendo que explicar o escândalo do vazamento de informações dos cartões de crédito do governo de Fernando Henrique Cardoso.

Logo no começo, o senador do DEM José Agripino Maia perguntou como deveriam acreditar nela, já que ela havia mentido quando interrogada pelos militares.

Nas palavras de Chicola, “a performance de Rousseff perante o comitê poderia ter prejudicado ou afundado suas chances presidenciais, se tivesse ido mal”. Mas Jose Agripino Maia “mancou feio” ao fazer a pergunta.

“Rousseff respondeu que foi brutalmente torturada pelos militares e tinha orgulho de ter mentido sob tortura porque isso salvou as vidas de outros que lutavam contra a ditadura. Com essa resposta dramática e inquestionável, Rousseff permaneceu no controle durante a maior parte da sessão”, diz o telegrama.

Câncer

Em outro relatório, enviado em 20 de julho de 2009, a diplomata Lisa Kubiske comenta o aumento de Dilma nas pesquisas apontando como consequência da sua visibilidade nas obras do PAC e da sua luta contra o câncer.

“Enquanto Rousseff continuar parecendo uma lutadora que venceu o câncer, suas chances presidenciais vão aumentar”, diz ela.

O estado de saúde de Dilma já havia sido tema de um extenso relatório enviado a Washington em 19 de junho, sob o título “Quão doente está Dilma Rouseff?”.

Nele, o embaixador Clifford Sobel relata as informações coletadas em conversas sobre a saúde da futura presidente, incluindo detalhes sobre o câncer linfático do qual ela sofria.
“Seus médicos afirmam que o câncer foi diagnosticado cedo e ela tem 90% de chance de se recuperar totalmente. Ela tinha nódulos linfáticos debaixo do braço esquerdo e começou um programa de um mês de quimioterapia em abril. Em maio, foi hospitalizada emergencialmente com dores nas pernas, o que foi atribuído à interrupção abrupta de medicamentos associados à quimioterapia. Os médicos dizem que ela vai reduzir esses remédios para evitar uma recaída”, diz o telegrama.

“No começo de junho ela havia completado três sessões de quimioterapia. Em uma reunião no dia 18 com um visitante de Washington, Rouseff parecia bem, com boa cor natural e pouca maquiagem, e um assessor disse ao embaixador que Rousseff estava respondendo tão bem à quimioterapia que suas sessões deveriam ser reduzidas de seis para quatro”.

No documento, Sobel especula sobre as consequências da doença da pré-candidata. Dilma poderia estar bem mais doente do que foi revelado publicamente, o que seria pouco provável. Outra possibilidade seria a doença piorar, inviabilizando sua candidatura. Finalmente, Dilma poderia reagir bem à quimioterapia e se recuperar do câncer. O embaixador via essa possibilidade como a mais provável – foi o que acabou acontecendo.

“Alguns analistas notaram que uma ‘vitória’ sobre o câncer jogará a seu favor e impulsionará a imagem de uma lutadora e vencedora. Mas se ela parecer fraca e derrotada, os eleitores vão minguar”.

Caso de Dilma não pudesse mais ser a candidata, Sobel faz outra uma lista de cenários possiveis.

No primeiro, o candidato do PT seria Antônio Palocci ou Gilberto Carvalho. No segundo, Aécio Neves se mudaria para o PSB ou o PV e poderia ser o candiato com apoio petista. E finalmente, Sobel reproduz especulações sobre um terceiro mandato de Lula, ouvidas em especial do deputado federal PPbista George Hilton.

“A doença de Rousseff mostrou uma vulnerabilidade do PT que não existia alguns anos atrás, quando podia indicar diversos governadores e congressistas como estrelas do partido. Essas estrelas por uma razão ou por estão apagadas e o partido adotou Dilma Rousseff, a escolhida de Lula, seu maior líder, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença”, conclui Sobel.

Jornalistas

A embaixada acompanhou com informes regulares a contagem regressiva para a campanha eleitoral. Em outubro de 2009, a conselheira Lisa Kubiske já arriscava palpites sobre o pleito brasileiro. Um telegrama confidencial do dia 21 alertava Washington: “fiquem ligados!’

Nele, Kubiske dizia que o resultado dependeria da capacidade de Lula de transferir sua popularidade a Dilma, “ao mesmo tempo permitindo que ela se distingua como uma figura presidencial viável”.

Kubiske aponta em diversos telegramas a “falta de carisma” de Dilma.

Em fevereiro de 2010 ela conta que Dilma encostou em Serra nas pesquisas, e descreve a opinião de diversos jornalistas consultados pela representação americana.

“Os críticos mais ferrenhos de Rousseff frequentemente enfatizam que a campanha na TV e os comícios vão matar a sua candidatura”, afirma Kubiske, citando o apresentador da Globo William Waack.

Waak teria dito que em um fórum com empresários, Aécio Neves teria se mostado “o mais carismático”, Ciro Gomes “o mais forte”, Serra “claramente competente” e Dilma “a menos coerente”.

“Outros críticos usam um argumento mais sutil, dizendo de maneira racional que o desejo do Brasil por continuidade depois de anos de progresso na verdade beneficia Serra, visto como mais provável a seguir o caminho econômico iniciado por Cardoso e seguido por Lula”, escreveu Kubiske.

Bizantino

Os relatórios enviados pela embaixada americana em Brasília sobre as eleições foram muito apreciados em Washingon. Em um telegrama de 23 de abril de 2009, Clinton agradece pelo informe “estelar” sobre o candidato do PSDB José Serra.

Em outro telegrama, datado de 24 de julho, Clinton explica que as informações sobre Dilma foram usadas em reuniões de “briefing” com o alto escalão do governo dos EUA, inclusive o secretário do Tesouro Timothy Geithner. Hillary finaliza agradecendo o assessor para assuntos políticos Dale Prince por esclarecer sobre o sistema político brasileiro, “frequentemente bizantino”.

Fonte: Blog do Nassif

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

09 dezembro 2010

Kátia Abreu ganha prêmio 'Motosserra de Ouro' por defesa do desmatamento:

Líder da bancada do agronegócio no Congresso e fiel defensora das propostas de mudanças no Código Florestal brasileiro, a senadora Kátia Abreu (DEM-TO) recebeu das mãos de uma ativista do movimento indígena da Amazônia, junto com o Greenpeace, o prêmio Motosserra de Ouro, símbolo de sua luta incansável pelo esfacelamento da lei que protege as florestas do país. [Kátia Abreu é pecuarista e presidente da Confederação Nacional da Agricultura – CNA].
A ativista tentou presentear Kátia Abreu com uma réplica dourada do instrumento usado para desmatar florestas no lobby do hotel em que está hospedada em Cancún, onde participa da 16ª Conferência de Clima da ONU (COP16). A senadora desprezou o agrado, visivelmente irritada, e deixou para a ativista apenas os comentários irônicos de seus assessores. A condecoração serviu para lembrar aos ruralistas defensores do relatório do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), que prevê alterações na lei, que essa proposta representa uma grave ameaça ao ambiente.

O projeto ruralista anistia desmatadores e reduz o tamanho da área que o proprietário de terra e o Estado estão obrigados a conservar para o bem público. Fazendas, dependendo do tamanho, ou serão dispensadas de ter árvores ou poderão ter menos do que devem atualmente. O projeto também diminui as faixas de floresta em beiras de lagos e rios e em encostas, que além de servir como corredores de biodiversidade evitam enchentes, deslizamentos e protegem a qualidade da água.

Caso a turma da motosserra consiga mudar a lei nos termos em que pretendem, tornarão inviável para o Brasil honrar as metas de queda de desmatamento assumidas em Copenhague, na COP15, que preveem a redução até 2020 de 36% a 39% de nossas emissões de gases-estufa. A proposta prejudica também as negociações sobre Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (REDD), que institui o pagamento para a conservação de floresta para quem vive nela. “Se o Brasil legalizar mais desmatamentos, o custo da conservação aumentará muito e pode tornar a aplicação do REDD no Brasil inviável”, explica André Muggiati, representante da Campanha Amazônia do Greenpeace na COP16.

A bancada da motosserra continua lutando nos bastidores para que um novo e enfraquecido código seja votado a qualquer preço, ainda este ano. Querem que algo tão importante para o Brasil seja decidido já, por uma Câmara em fim de mandato, e sem a devida discussão com a sociedade. “As alterações no Código Florestal representam um retrocesso em uma das legislações florestais mais avançadas do mundo”, diz Muggiati.

Este protesto teve o apoio do Grupo de Trabalho Amazônico (GTA) e a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB).

Fonte: Greenpeace

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

08 dezembro 2010

A situação global:


Os padrões dominantes de produção e consumo estão causando devastação ambiental, esgotamento dos recursos e uma massiva extinção de espécies. Comunidades estão sendo arruinadas. Os benefícios do desenvolvimento não estão sendo divididos eqüitativamente e a diferença entre ricos e pobres está aumentando. A injustiça, a pobreza, a ignorância e os conflitos violentos têm aumentado e são causas de grande sofrimento. O crescimento sem precedentes da população humana tem sobrecarregado os sistemas ecológico e social. As bases da segurança global estão ameaçadas. Essas tendências são perigosas, mas não inevitáveis.

Trecho da Carta da Terra.

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM

07 dezembro 2010

Cidadania no Brasil:

“A ausência de ampla organização autônoma da sociedade faz com que os interesses corporativos consigam prevalecer. A representação política não funciona para resolver os grandes problemas da maior parte da população. O papel dos legisladores reduz-se, para a maioria dos votantes, ao de intermediários de favores pessoais com o executivo. O eleitor vota no deputado em troca de promessas de favores pessoais e o deputado apóia o governo em troca de cargos e verbas para distribuir entre seus eleitores. Cria-se uma esquizofrenia política: os eleitores desprezam os políticos, mas continuam votando neles na esperança de benefícios pessoais.”

José Murilo de Carvalho – historiador – livro: Cidadania no Brasil.

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

06 dezembro 2010

Vem aí: APELAÇÃO 4 em NL




05 dezembro 2010

Cantando Reggae:


“Mesmo que o rádio não toque, mesmo que a TV não mostre, aqui vamos nós, cantando reggae, aleluia Jah!”

Edson Gomes

04 dezembro 2010

Recuerdos:


Só se percebe como o tempo passa, quando se volta aos lugares da infância.

As mesmas ruas, mas com outras caras, os mesmos rostos, mas completamente desconhecidos.

Nesta esquina eu encontrava os amigos, naquela, tomava café, nestoutra sentava e ficava vendo o movimento.

Aqui li todo Monteiro, ali assisti 2001 pela 1ª vez.

Morei aqui vinte anos, ali por cinco, aqui por um. Prédios, casas velhas, becos, galerias comerciais com toda a quinquilharia do planeta.

Lojas de sapatos que existem à cem anos, cafés centenários, onde a fina flor dos tempos passou e discutiu o mundo. Aquele cube fechou, aquele cinema virou igreja, esta igreja virou uma catedral.

No centro, a praça. Pequena hoje, fora da perspectiva da criança que ao atravessá-la, saía de seu mundo e adentrava no Mundo.

Mundo que me carregou para outras partes, outros rostos, outras paisagens. Na memória, o centro do mundo: o chafariz de cavalos assombrados, a estátua imensa do Coronel.


Por: Ricardo Ronda

01 dezembro 2010

Matar traficante resolve?

Outro discurso que fizeram entrar goela abaixo da população estes dias foi o que de, se matarmos ou prendermos todos os traficantes, o problemas está resolvido. Não consigo concordar com isso.

Primeiro, como já disse aqui, o traficante é apenas a ponta do iceberg. Por trás dele há uma enorme cadeia lucrativa. Mas o argumento aqui vai além disso.

Alguém aqui se lembra do final do filme Cidade de Deus? Então vamos lá: Uma operação da polícia na favela, mata uma série de traficantes e prende outros tantos. Ao ver os bandidos no chão e suas armas idem, um grupo de crianças pegas as armas do chão e saem felizes e gritando: “_Ae, agora o morro é nosso!”. Qual a mensagem? Podem matar quantos traficantes vocês quiserem, sempre vai ter um “exército de reserva” para assumir os postos.

Qual o motivo para isso? Crianças sem escola, sem família, sem assistência do Estado, sem perspectiva de trabalho, mas com muita ânsia de ser alguém na vida. Ora, ser traficante gera status, ao menos no morro. Dá dinheiro para adquirir os bens de consumo da sociedade capitalistas que eles não teriam de outra forma, etc...

Além disso, estamos falando de um negócio altamente lucrativo. No capitalismo funciona assim: só há venda de determinado produto, se ele é consumido pela população. Ou seja, só há traficantes porque existem os consumidores.

Nos forçam a acreditar que os consumidores estão na favela. Claro que alguns estão sim, mas me arrisco a dizer que a grande maioria está nos bairros de classe média e alta da cidade. Afinal, droga não é um produto barato, então tem que ter um certo poder aquisitivo para comprá-la.

Não quero aqui fazer apologia ao tráfico ou ao uso de drogas. Quero apenas dizer com estes textos que o problema e muito mais complexo e a solução não vem no simples subir de morro dando tiro.

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

Pobre pode!

Nos dias de operações de “combate ao tráfico de drogas” no Rio de Janeiro, algumas favelas foram completamente cercadas pela Polícia e Exército. Cenário de guerra na “cidade maravilhosa”.

Legal cercar a favela atrás de bandidos. Mas só a favela?

Quando vão cercar os latifúndios improdutivos?
Quando vão cercar as fazendas que usam trabalho escravo?
Quando vão cercar e abrir os arquivos da Ditadura?
Quando vão cercar os monopólios das telecomunicações?
Quando vão cercar os hospitais públicos sucateados?
Quando vão cercar as escolas públicas sucateadas?
Quando vão cercar as universidades públicas sem verbas para pesquisas?
Quando vão cercar os laboratórios e campos de alimentos transgênicos?
Quando vão cercar as ONGs que roubam a riqueza da Amazônia?
Quando vão cercar o Agronegócio monocultor?
Quando vão cercar os pistoleiros do Pará?
Quando vão cercar a fome do nordeste?
Quando vão cercar as casas sem esgoto ou água encanada?
Quando vão cercar as mansões e quebrar os sigilos bancários?
Quando vão cercar as festinhas da classe média consumidora?
Quando vão cercar a Amazônia e evitar o desmatamento?
Quando vão cercar as indústrias poluidoras do meio ambiente?
Quando vão cercar os criminosos do colarinho branco?
Quando vão cercar o Estado de Israel para libertar a Palestina?
Quando vão cercar os países que não aceitam reduzir a emissão de gazes?
Quando vão cercar as embaixadas golpistas dos EUA?
Ora minha gente, não podemos reproduzir o que vem embutido nas reportagens que vivos estes dias. Na favela não precisa de mandato judicial para entrar nas casas? Só porque são pobres, tudo é permitido contra eles? Absurdo! Precisamos deixar de sermos “papagaios de todo telejornal”. Vamos refletir! Nem todo favelado é traficante ou drogado. Muitos não estão lá porque querem. A imensa maioria é de gente trabalhadora, que acorda cedo para trabalhar honestamente.


Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

Os lucros do tráfico:

Recentemente, acompanhamos pela TV e ao vivo o “Tropa de Elite 3”, pelo menos era o que parecia aos olhos dos telespectadores. Uma mega operação de guerra, até com tanques blindados para supostamente “pacificar” as favelas do Rio de Janeiro. Pois bem, tais operações não são a solução para o “problema”. Não há solução. Vamos aos argumentos:

O tráfico de drogas é um negócio altamente lucrativo e para vários seguimentos da sociedade. Os traficantes são apenas a ponta do iceberg.


A indústria de armas e munição adora o tráfico de drogas. Os traficantes são excelentes compradores para os seus mortíferos produtos. Não só eles, supostamente para combater o tráfico, também a polícia precisa se equipar.

Os grandes veículos de comunicação adoram o tráfico de drogas. Toda noite em seus telejornais há algo para ser noticiado e “ocupar o espaço”, sem falar em programas especiais que desvendam os bastidores deste sistema. Índices de audiência lá em cima.

Os políticos adoram o tráfico de drogas. A cada eleição, eles tem mais uma falácia à oferecer para a população. A promessa de “acabar com a violência” rende votos.

A polícia adora o tráfico de drogas. Tem sempre alguém para cobrar um propina, seja vendedor ou usuário e com isso aumentar a renda familiar.

O Estado adora o tráfico de drogas. De tempos em tempos, uma mega operação militar é feita para dar à população uma sensação momentânea de segurança, ao mesmo tempo que desvia o foco de outros problemas.

O que quero dizer é que, por trás do traficante de chinelo de dedo ou do moleque que vende na boca, há uma enorme cadeia de interesses capitalistas que “não querem” o fim do tráfico de drogas.

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.



Free counter and web stats