30 outubro 2010

Dilma lá:

Me lembro com se fosse hoje a campanha presidencial de 1989. Na ingenuidade de meus sete anos de idade, via um sujeito barbudo falando para os pobres na TV e pensava: “Nossa, meu pai está desempregado, minha mãe é professora, não tenho casa própria nem carro, então eu sou pobre, logo, este sujeito está falando para mim e precisa ganhar”. Não ganhou. Desde então passei a acompanhar a política. Mas o que mais me marcou mesmo foi a musiquinha daquela campanha de 1989. Sei ela até hoje: “Lula lá, brilha uma estrela, Lula lá, cresce a esperança, sem medo de ser feliz”.

Este domingo é dia de eleição e para sucessão deste sujeito barbudo que falava e fez pelo pobres, quero a eleição da sua braço-direito nestes oito anos de governo. Voto Dilma Rouseff para Presidente, para o Brasil seguir mudando. Abaixo, uma adaptação daquele famoso jingle de campanha, agora é “Dilma lá”!!!



Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

Os falsos profetas:

“Acautelai-vos, porém dos falsos profetas, que vem até vós vestidos como ovelhas, mas por dentro são lobos devoradores”.

Esta citação é bíblica, e atribuída a Jesus no evangelho de Mateus capítulo 7 e versículo 15.

Nesta passagem, Cristo nos adverte para sermos cautelosos, para não cairmos no conto enganoso dos falsos profetas que se mostram dóceis como as ovelhas, porém mortíferos como os lobos famintos, os corações destes transbordam em mácula e em vez do bem, semeiam o mal.

O atual momento histórico do nosso país está servindo para o levante desses falsos profetas, eles estão saindo como ratos, das mais diversas locas do submundo de igrejas onde homens ao invés de se comprometerem com os princípios cristãos, andam se mesclando ao jogo mais fétido e desgraçado da política.

Nesta campanha eleitoral, os falsos profetas nos vêm vestidos em batinas ou ternos e gravatas, usando o nome de Deus para promoções eleitoreiras, para o benefício deste candidato e a maldição daquela. Neste ato eles manipulam, eles roubam as consciências de seus rebanhos e lhes confiscam a paz de seus espíritos, neste jogo sujo e explicitamente carnal, os falsos profetas usurpam, se apoderam da mente de suas ovelhas para usar-lhes em benefício de seus próprios interesses.

Atentai-vos ovelhas de Cristo, o inimigo está em derredor, lembrai-vos o exemplo dos sepulcros caiados, em seu interior há somente imundícia, norteemo-nos em Cristo, é impossível servirmos a Deus e ao dinheiro. Os lobos injuriam e perseguem, de suas bocas provém benção e maldição.

A bíblia é franca, por ela Cristo nos foi claro ele não os conhecerá, pois são falsos e seus comprometimentos não são com as coisas do céu. Fujamos deles.

Cristo primou pelo amor e não pelo ódio, os verdadeiros profetas servem a Deus e não aos homens, os falsos profetas esqueceram-se da bíblia, abandonaram a causa de Cristo, não podemos nos deixar levar pelos enganadores, estas manifestações, prenunciam o início do tempo do fim.

Porém, nós, mortais, ovelhas ou criaturas, não devemos ouvir esses enganadores que vociferam em seus púlpitos maldições que só seriam evitadas se nós seguirmos as suas vontades, os profetas verdadeiros não são ditadores, não nos fornecem regras para beneficiar ou prejudicar políticos, não somos seus escravos, não estamos no Egito dos faraós.

Se há promessas a se cumprir, elas se cumprirão, independentes de quem governe as nações do mundo, não deixem que o ladrão roube nossas consciências.

Não há com o que se preocupar, o Cristo ressureto nos ensinou:

“Tenho-vos dito isso, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.”JOÃO 16:33.

Que assim seja, e que nos dêem o direito de votar sem medo e sem ódio.

Por: Mateus Brandão de Souza, graduado em história pela FAFIPA.

29 outubro 2010

"A religião é o ópio do povo"

Nunca antes na história deste país, tivemos uma campanha eleitoral tão influenciada por pautas religiosas. Primeiro foi a polêmica sobre o aborto, depois panfletos ilegais supostamente pagos pela CNBB, os pastores Silas Malafaia e Edir Macedo. Quando pensávamos que o pior já havia passado, eis que ontem o cardeal Joseph Ratzinger entrou em cena.

Para quem não se lembra, Ratzinger é aquele velhinho que veste uma roupa branca, chapéu esquisito, que expulsou Leonardo Boff da Igreja, que comanda o Estado do Vaticano, que protegeu padres pedófilos, que quando criança foi da juventude nazista, etc. Ah, recentemente este senhor Ratzinger é vulgarmente conhecido como Papa Bento XVI e segundo crêem os católicos, trata-se da representação oficial de Deus aqui na terra.

Ratzinger fez um pronunciamento à nação brasileira onde claramente demonstra preferência pela eleição de José Serra. Para os católicos-tucanos, foi uma benção, já para os católicos-petistas, uma afronta. Ponto negativo para a Igreja posicionar-se claramente assim, seus fies não são mais cordeirinhos e diante de tamanho absurdo podem procurar outras “casas de salvação”.

Apenas para não esquecermos, ao longo da história a Igreja já errou, e muito. Vamos recordar?
A Igreja dizia que a Terra era plaina;
A Igreja dizia que a Terra era o centro do universo e que o Sol girava ao seu redor;
A Igreja vendia o perdão aos seus fiéis pecadores;
A Igreja vendia os altos cargos aos filhos da nobreza;
A Igreja dizia que os negros não tinham almas;
A Igreja vendia relíquias falsas como por exemplo pedaços da cruz de Cristo;
A Igreja dizia que saber lidar com ervas da natureza era bruxaria;
A Igreja queimou várias pessoas que não seguiam as suas diretrizes;
A Igreja vivia no luxo e nas orgias;
A Igreja teve e tem padres pedófilos;
A Igreja corroborou com o Golpe de 1964 no Brasil;
Etc...

Agora, vem a Igreja dizer que José Serra é a melhor opção. Eu estou escaldado e não caio nesta baboseira. Para que fique claro, não tenha nada contra Deus, creio sim nele, mas tenho muito contra certas religiões que se auto proclamam porta vozes da verdade e de mediadores entre Deus e os homens, mas que em muitos casos servem a interesses mesquinhos e acabam afastando os homens do verdadeiro Deus. Eu “tenho um lado espiritual independente de religiões”. Por fim, com diria o grande Karl Marx “A religião é o ópio do povo”. Reflitam!

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

27 outubro 2010

#luladay

Hoje, dia 27 de outubro de 2010 o Presidente Luis Inácio Lula da Silva completa 65 anos de vida. O melhor presidente que este país já teve, segundo recentes pesquisas populares, merece também deste singelo Blog uma homenagem. Abaixo reproduzo e-mail que circula. Hoje no twitter a tag #luladay está nos TTs mundiais.

LULA, "O ANALFABETO"

É pouco ou quer mais?

FHC, o farol, o sociólogo, entende tanto de sociologia quanto o ex-governador de São Paulo e candidato, José Serra, entende de economia. Lula, que não entende de sociologia, levou mais de 54 milhões de miseráveis e pobres à condição de consumidores; que não entende de economia, pagou as contas de FHC, zerou a dívida com o FMI e ainda empresta algum aos ricos.

Lula, "o analfabeto", não privatizou as estatais, como fez o FHC, e as fortaleceu, tanto que hoje a Petrobrás é a 2º maior empresa de Petróleo do mundo e caminhando para ser a 1º. Os tucanos, capitaneados pelo FHC e pelo ex-governador José Serra, querem por que querem voltar ao poder, para doarem aos grandes amigos ("Mui Amigos") empresários, o Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Correios, Petrobrás, Eletrobrás, BNDS, etc...

Lula, o “analfabeto”, que não entende de educação, criou mais escolas e universidades que seus antecessores juntos, e ainda criou o PRÓ-UNI, que leva o filho do pobre à universidade.

Lula, que não entende de finanças nem de contas públicas, elevou o salário mínimo de 64 para quase 300 dólares, e não quebrou a previdência como queria FHC.

Lula, que não entende de psicologia, levantou o moral da nação e disse que o Brasil está melhor que o mundo. Embora o PIG - Partido da Imprensa Golpista, liderados pela Organizações Globo, Grupo Folha e Grupo Abril que entende de tudo, diga que não.

Lula, que não entende de engenharia, nem de mecânica, nem de nada, reabilitou o Proálcool, acreditou no biodiesel e levou o país à liderança mundial de combustíveis renováveis.

Lula que não entende de política, mudou os paradigmas mundiais e colocou o Brasil na liderança dos países emergentes, passou a ser respeitado e enterrou o G-8.

Lula, que não entende de política externa nem de conciliação, pois foi sindicalista brucutu, mandou às favas a ALCA, olhou para os parceiros do sul, especialmente para os vizinhos da América Latina, onde exerce liderança absoluta sem ser imperialista.

Lula, que não entende de mulher nem de negro, colocou o primeiro negro no Supremo Tribunal Federal (Ministro Joaquim Barbosa, desmoralizado pelos brancos de olhos azuis), uma mulher no cargo de primeira ministra, e pode fazê-la sua sucessora, sendo a Primeira Mulher Presidente do Brasil.

Lula, que não entende de etiqueta, sentou ao lado da rainha e afrontou nossa fidalguia branca de lentes azuis.

Lula, que não entende de desenvolvimento, nunca ouviu falar de Keynes, criou o PAC, antes mesmo que o mundo inteiro dissesse que é hora de o Estado investir, e hoje o PAC é um amortecedor da crise.

Lula, que não entende de crise, mandou baixar o IPI e levou a indústria automobilística a bater recorde de produção e vendas.

Lula, que não entende de português nem de outra língua, tem fluência entre os líderes mundiais, é respeitado e citado entre as pessoas mais poderosas e influentes no mundo atual. Foi eleito o político mais influente do mundo em 2010, segundo a revista norte americana "TIME". Foi também escolhido o homem do ano de 2009.

Lula, que não entende de respeito a seus pares, pois é um brucutu, já tinha empatia e relação direta com Bush - notada até pela imprensa americana - e agora tem a mesma empatia com Obama.

Lula, que não entende nada de sindicato, pois era apenas um agitador, é amigo do tal John Sweeny e entra na Casa Branca com credencial de negociador, lá, nos "States".

Lula, que não entende de geografia, pois não sabe interpretar um mapa, é ator da mudança geopolítica das Américas e do mundo.

Lula, que não entende nada de diplomacia internacional, pois nunca estará preparado, age com sabedoria em todas as frentes e se torna interlocutor universal.

Lula, que não entende nada de história, pois é apenas um locutor de bravatas, faz história e será lembrado por um grande legado, dentro e fora do Brasil.

Lula, que não entende nada de conflitos armados nem de guerra, pois é um pacifista ingênuo, já é cotado pelos Palestinos para dialogar com Israel.

Lula, que não entende nada de nada, de longe é o melhor que todos os outros. Tem uma aprovação popular de mais de 87% dos brasileiros. +-170.000.000 de brasileiros provam o seu governo.

Com isenção de ânimo e sem paixões políticas, conhecer indicadores sociais e econômicos publicados pelo Jornal "The Economist" (Inglaterra), comparando os Governos FHC e Lula.

A diferença é muito grande... É bom lembrar na hora de votar!!!

Pense, o que este homem faria, se entendesse de alguma coisa?

Pedro R. Lima, professor ERJ Economia

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

25 outubro 2010

Resenha publicada:

Este mês, na Revista Espaço Acadêmico da UEM, consegui publicar mais uma resenha de livro. Trata-se do trabalho intitulado “ARENA: Partido político ou bode expiatório”, importante para a minha dissertação de mestrado..

O livro em questão é uma boa análise da trajetória deste partido político que deu sustentação civil ao Regime Militar. Para quem não se lembra, após a Ditadura, a Arena mudou de nome várias vezes e seus próceres hoje encontram-se divididos entre o PP e o DEMOcratas, com maior ênfase neste último.

Recomendo a leitura da resenha e também do livro. Por exemplo, nossa câmara municipal de Nova Londrina-PR conta hoje com vereadores do DEMOcratas, além do Prefeito municipal. Seria interessante que conhecessem a história da agremiação que defendem, mesmo que estejam pensando em mudar de partido e passar para a “oposição novalondrinense”, como é o caso de um destes vereadores.

Para ler a edição de outubro da revista clique aqui. Para ler a resenha, clique aqui.

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

Fábrica de torneiras é a solução?

De tempos em tempos, ouvimos nossos administradores municipais dizerem que trazer fábricas de torneiras para Nova Londrina seria uma boa saída para gerarmos empregos e desenvolver a cidade.

Pois bem, o Ministério Público de Loanda-PR investiga denúncia de contaminação das águas do Ribeirão Tamandueté, por duas empresas do ramo de metais sanitários. Estas duas empresas já foram autuadas pelo IAP (Instituto Ambiental do Paraná) e segundo pecuaristas, cerca de trinta cabeças de gado já morreram após beber a água contaminada.

Interessante que na reportagem, um pecuarista mostra um laudo feito por laboratório no sangue de um bovino morto. Nele são encontrados 5,61 micro gramas de chumbo por decilitros, quando o aceitável é 0,60. Fiquei curioso em saber de qual ribeirão vem a água que a população de Loanda bebe e qual a quantidade de chumbo no sangue das pessoas.

Para ver a reportagem feita pela RPC, clique aqui.

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

22 outubro 2010

Eu voto no Serra porque...

Vídeo como motivos plausíveis para se votar em José Serra/PSDB:


Abaixo, charge de Carlos Latuff que ironiza uma passeata a favor de José Serra. Reparem no perfil de seus eleitores.

Por: Cássio Augusto - professor e mestrando em História pela UEM.

O preço da liberdade de expressão:

No sistema capitalista todos os bens materiais à nossa volta possuem um preço, afinal, o sistema se reproduz através do lucro. Algumas pessoas mais espertas, conseguem nos convencer até mesmo de que uma simples água dentro de uma garrafinha merece custar R$ 1,50, mesmo que esta água não seja assim tão mineral. Estes espertos apoderam-se dos bens naturais e ganham dinheiro em cima.

Os homens detentores dos meios de produção (burguesia) colocam preço em outros homem que possuem apenas a sua força de trabalho (proletariado). Assim, pagam um salário qualquer para o sujeito desesperado em sua luta pela sobrevivência e ganham dinheiro (mais-valia) em cima.

A partir disso, estas pessoas “poderosas” pensam que podem comprar qualquer coisa. Não satisfeitos em comprar “apenas” a força de trabalho do homem, tentam comprar-lhe também a sua consciência, afinal, um homem que pensa pode ser prejudicial para a manutenção da exploração capitalista.

Segundo a nossa Constituição Federal, é livre a manifestação do pensamento, sendo proibido apenas o anonimato, ou seja, a liberdade de expressão, a consciência do homem não tem preço. Mesmo assim, insistem em querer calar, na base da chantagem ou da ameaça, aqueles que colocam a boca no mundo.

No entanto, como vemos nos grandes veículos de comunicação, grandes multinacionais patrocinam os mesmo em troca de “pautas favoráveis”. No português claro, as grandes empresas compram a consciência da Globo, Veja, Folha, etc...

Ainda bem que ao longo dos anos, este Blog conseguiu mostrar o porquê de sua existência. Nunca recebi qualquer proposta sórdida para fazer “pautas favoráveis” à qualquer grupo. Inclusive isto gerou comentários desesperados em “círculos palacianos” do tipo: “Aquele cara, nem conseguir comprar ele a gente consegue. Ele não se vende”. Exatamente. A minha consciência não está à venda. Inclusive, algumas pessoas estranham o fato de que sempre adesivei meu carro em época de eleição, mas nunca ganhei sequer um litro de combustível. Faço e sempre farei porque acredito na causa, ao contrário de outros tantos por aí.

Desde sempre, este Blog esteve aberto, e continua aberto à qualquer seguimento político de Nova Londrina. Me lembro de ter sido procurado pelo assessor de um vereador, que pediu para “divulgar as ações do vereador no Blog”. Respondi civicamente que este Blog é de opinião e não serviria como propaganda ao nobre vereador, mas se o mesmo quisesse publicar textos seus, com suas opiniões, o Blog estaria à disposição. Não mais recebi qualquer resposta. Com toda certeza sabem que, ao emitir uma opinião, estão sujeitos à contra-opinião, o que não lhes agrada.

No entanto, a liberdade de expressão tem sim um preço e muito alto. Aqueles que como eu tentam remar contra a maré sabem do que falo: é o preço da exclusão social. Ter opinião própria incomoda. Deixam de nos convidar para certos “círculos sociais”, nos acusam de “comunista”, nos apontam o dedo na rua cochicham e dão risadinhas, nos caluniam para que outros não nos dêem ouvidos, nos fecham as portas de possíveis empregos, nos processam, etc. Tentam nos colocar à margem pelo simples fato de que não coadunamos com suas atitudes e práticas dinheiristicas, afinal, eles pensam que, por terem dinheiro, podem comprar até mesmo a consciência das outras pessoas.

Portanto, sei o preço que pago por quer falar. Assim, sigo o conselho do cartunista Carlos Latuff, “Eu já liguei o meu f*-se. Ligue você também”. Como diria o grande Paulo Henrique Amorim, “Blog é jornalismo de opinião, se não gosta, não leia”. Para finalizar, uma música do Raimundos: “Liberdade de expressão, deixa eu falar fdp, expressão!”

Uma dica. Crie você também o seu Blog. Espalhe para o mundo e para a nossa comunidade a suas opiniões sobre qualquer assunto. É livre, é democrático, é grátis. Quanto mais pessoas se conscientizarem disso, menos poder estes “senhores do regresso” terão.

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

21 outubro 2010

Imprensa é processada em Nova Londrina-PR:

O presidente municipal do DEMOcratas, juntamente com o presidente municipal do PDT aqui de Nova Londrina-PR entraram no Tribunal Regional Eleitoral com uma representação contra a Rádio Rainha FM, o radialista Ricardo Ronda e o vereador Álvaro Guilherme.

A Representação alega que no dia 18/09, no programa Rainha em Foco, o radialista em questão, quando entrevistava o vereador Álvaro, teriam infringindo a lei eleitoral. Segundo a Representação, houve propaganda política para os candidatos Beto Richa (governador eleito do Paraná) e Frangão (deputado federal reeleito), o que configuraria tratamento privilegiado, portanto, crime eleitoral.

Sou ouvinte esporádico do programa em questão. No dia da entrevista objeto da Representação, estava ouvindo a mesma. Particularmente, não acho que tenha havido pedido de votos aos candidatos, até porque, houve inclusive elogios ao candidato Osmar Dias (derrotado no pleito ao governo do estado). Além disso, outros dias que acompanhei o programa, ouvi o locutor cobrindo visitas de outros candidatos à Nova Londrina. Mas ao mesmo tempo, a justiça serve para aqueles que sentirem-se prejudicados, requererem o que entenderem de Direito. Vamos aguardar a decisão da justiça.

Maiores informações podem ser obtidas no site Destak Nova Londrina, onde há inclusive cópia integral da petição inicial do processo. Clique aqui e tire suas próprias conclusões. Vereador Álvaro se manifestou a respeito, clique aqui. Abaixo, texto do radialista Ricardo Ronda manifestando-se sobre o tema.

INSENSATAS ATITUDES, PÉSSIMAS CONSEQUÊNCIAS:

Os recentes episódios envolvendo a Rádio Rainha FM de Nova Londrina e o Paço Municipal se inscrevem dentro da disputa política que opõe o troianismo e o ‘novo’ dornelismo.

Tanto um como o outro, como todos o sabem à saciedade, são o presente de políticas mais antigas que se enraízam na disputa local em episódios no mais das vezes acontecidos nos princípios da década passada, fim da retrasada.

Embates anteriores que custaram duas derrotas consecutivas ao grupo que se formou em torno do atual prefeito, levaram a uma elevação da carga de ressentimentos à níveis nunca antes aceitáveis na disputa local pelo poder.

Numa política local elitizada em sua partição do bolo municipal ao longo dos tempos, evolui-se agora para uma tentativa hegemônica de perpetuação, pela destruição pura e simples do adversário. Manobra nunca antes intentada, dados os laços sempre existentes - até familiares -, entre os próceres locais que se digladiavam mas se respeitavam, tanto na vitória quanto na derrota.

Contrariando esta prática, o grupamento de ressentidos que tomou conta do poder local só parece descansar enquanto dorme. Dizem até que não o fazem, apenas descansam, enquanto maquinam novas formas de ‘acabar com o Velho e neutralizar o Japonês’.

Vindo de fora e desembarcando em meio a esta luta, vi-me presa igualmente desta política maniqueísta que a todos engolfa e igualmente submete. Torna-se quase impossível ficar-se neutro dentro desta luta e, por mais ingênuo que tenha sido, ao pelo menos tentar levar uma neutralidade tácita dentro da Rainha FM, não o consegui.

E não o consegui por, sem ao menos ser indagado, aceitado o convite da Rádio Rainha FM, imediatamente fui fichado dentro do troianismo e tratado igualmente como inimigo fidagal da administração.

Todos os esforços que empreendi, e não foram poucos, chocaram-se com o muro excludente interposto em frente a qualquer um que ‘coma do prato ‘ do inimigo da administração. Minhas tentativas de abrir canais de diálogo com as diversas secretarias municipais em busca de subsídios informativos para o Rainha em Foco eram obstaculizados pela coalisão de déspotas secretariais que assumiram o governo que ora rege, e mal, os destinos do município. Funcionários que tiveram o desplante de se aproximar de mim e da Rádio foram advertidos para não fazê-lo, pois ficariam ‘mal’ com ‘os hôme’ e poderiam ter suas carreiras prejudicadas.

À cada porta fechada, eu tentava abrir uma janela e cada esta, por sua vez cerrada, um buraco na parede até que não restou mais nada, a não ser catar aqui e ali, em conversas ou impressos, em sites malfeitos e jornais semi-oficiais, o pouco que sai da administração municipal, que parece se esquecer que é dever constitucional do Estado dar ciência de seus atos.

Boicotado sistematicamente pela administração municipal que, ao se negar a usar da Comunitária em sua plenitude ao mesmo tempo a acusa de não ‘ajudar’ a administração, fiz do meu horário um espaço de resistência ao obscurantismo, abrindo então a programação ao povo que a escuta e agora, a faz.

E este povo, tem queixas imensas.

Ao colocar a voz do Povo na Rádio do Povo, choquei-me então frontalmente com estes que diziam que iriam devolver sua cidade ao seu legítimo dono. Este mesmo dono que os derrotou nas urnas mais uma vez, e de forma acachapante agora, este mesmo dono que bateu a porta na cara dos que o procuraram atrás de voto, este mesmo dono que os excomungam nas filas do hospital municipal, os xingam nas ‘carroças ‘ que os transportam para médicos fora da cidade, os maldizem na espera infindável por um ultra-som, os ameaçam, ao destruírem seus carros na buraqueira em que se transformou Nova Londrina, enfim, os detestam, quando vêem os gordos salários que recebem pelo péssimo serviço que prestam.

Agora, usando uma fala descolada de seu contexto maior, seis minutos de um papo de uma hora, intentam o que acreditaram ser o coup d’grace! Um processo judicial milionário que estrangulando financeiramente a Comunitária, por fim a cale.

Vã tentativa e vã esperança. Se nos calarem, as pedras bradarão.

Na certeza absoluta da vitória de seu candidato e, crentes que o mesmo se mancomunaria com seus vis interesses mesquinhos - o que desminto, Osmar não é homem destas coisas -, entraram então na Justiça Eleitoral, para fazer dela cúmplice de seus desmandos.

Infelizmente, seu candidato - que também era o meu – perdeu a eleição. E quem ganhou, é o mesmo que agora nos acusam de usar a Comunitária para apoiar.

Como se não bastasse, neste festival tragicômico que é este processo, um dos partidos que nos ameaçam é base de apoio, e forte, do governador eleito, Beto Richa. O DEM novalondrinense está perseguindo quem, na sua denúncia, concorreu para sua própria vitória à nível estadual. Duplo tiro no pé, eu o creio.

Triplicando a desgraceira, conseguiram, numa manobra digna dos mais incapazes grupos políticos que já conheci, unir as oposições municipais contra si mesmos, num anti-Maquiavel, - o do Príncipe -, que até então corriam disputando entre si também.

O bloco de oposição que se formou, ao menos em torno deste incidente, é a maior força política jamais unida em torno de alguma coisa que Nova Londrina já viu. E sabe-se, coçar e conversar, é só começar.

Tristes tempos estes tempos. A arrogância unida ao despreparo, temperada pelo desprezo ao povo, flambada no esoterismo rasteiro dos possuidores de Segredos e outras matemágicas circenses, por fim servida na gamela dos famintos dá nisso: um prato indigesto como as codornizes que apodreciam na boca dos israelitas murmuradores e famintos no deserto.

A cidade, Nova Londrina, a nossa Rainha do Noroeste, não merece isto. Povo trabalhador e progressista, comércio pujante e moderno, grandes empresas locais empregando centenas e centenas de trabalhadores, locais e até de fora do município, fica agora à mercê, em sua política maior, de um grupamento de pessoas que não pensam n’Ela, só em si mesmos e nos seus interesses imediatos, sejam os de vinganças pessoais por ofensas nunca perpetradas, seja por sonhos delirantes de vinte anos de poder.

Dizer que o município sofrerá sanções como muitos dizem, não o creio, Beto Richa não me parece ser um homem deste tipo também.

Mas, a distância que vai do cumprimento constitucional dos repasses estaduais e a boa vontade que libera o ‘algo a mais’ dos projetos pessoais de cada governo, e cada um os tem, é imensa. O ‘à pão e água’ dos pequenos municípios é a normalidade deste municipalismo brasileiro.

O que diferencia um município amigo dos outros são os amigos que se tem no município. E aqui, dentro da administração municipal, Beto Richa não os tem.

Resta-nos ao menos a esperança que a lucidez vença no final, e o grande propósito geral: - o melhor para Nova Londrina -, prevaleça e ponha todos, situação e oposição ao menos neste acordo: a cidade não merece sofrer mais do que já está sofrendo.

Por: Ricardo ‘processado’ Ronda.

Apenas a título de recordação, no ano de 2009, este Blog foi alvo de processo por parte da administração municipal.
Processo contra este Blog
Processo contra este Blog II
Processo contra este Blog III

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

20 outubro 2010

Manifesto em Defesa da Educação Pública:

Nós, professores universitários, consideramos um retrocesso aspropostas e os métodos políticos da candidatura Serra. Seu históricocomo governante preocupa todos que acreditam que os rumos do sistemaeducacional e a defesa de princípios democráticos são vitais ao futurodo país.

Sob seu governo, a Universidade de São Paulo foi invadida porpoliciais armados com metralhadoras, atirando bombas de gáslacrimogêneo. Em seu primeiro ato como governador, assinou decretosque revogavam a relativa autonomia financeira e administrativa dasUniversidades estaduais paulistas. Os salários dos professores da USP,Unicamp e Unesp vêm sendo sistematicamente achatados, mesmo com osrecordes na arrecadação de impostos. Numa inversão da situação vigentenas últimas décadas, eles se encontram hoje em patamares menores que aremuneração dos docentes das Universidades federais.

Esse “choque de gestão” é ainda mais drástico no âmbito do ensinofundamental e médio, convergindo para uma política de sucateamento daRede Pública. São Paulo foi o único Estado que não apresentou, desde2007, crescimento no exame do Ideb, índice que avalia o aprendizadodesses dois níveis educacionais.

Os salários da Rede Pública no Estado mais rico da federação sãomenores que os de Tocantins, Roraima, Rio de Janeiro, Mato Grosso,Espírito Santo, Acre, entre outros. Somada aos contratos precários eàs condições aviltantes de trabalho, a baixa remuneração tende aexpelir desse sistema educacional os professores qualificados e adesestimular quem decide se manter na Rede Pública. Diante dasreivindicações por melhores condições de trabalho, Serra costumaafirmar que não passam de manifestação de interesses corporativos esindicais, de “tró-ló-ló” de grupos políticos que queremdesestabilizá-lo. Assim, além de evitar a discussão acerca do conteúdodas reivindicações, desqualifica movimentos organizados da sociedadecivil, quando não os recebe com cassetetes.

Serra escolheu como Secretário da Educação Paulo Renato, ministro nosoito anos do governo FHC. Neste período, nenhuma Escola TécnicaFederal foi construída e as existentes arruinaram-se. As universidadespúblicas federais foram sucateadas ao ponto em que faltou dinheiro atémesmo para pagar as contas de luz, como foi o caso na UFRJ. Aproibição de novas contratações gerou um déficit de 7.000 professores.Em contrapartida, sua gestão incentivou a proliferação sem critériosde universidades privadas. Já na Secretaria da Educação de São Paulo,Paulo Renato transferiu, via terceirização, para grandes empresaseducacionais privadas a organização dos currículos escolares, ofornecimento de material didático e a formação continuada deprofessores. O Brasil não pode correr o risco de ter seu sistemaeducacional dirigido por interesses econômicos privados.

No comando do governo federal, o PSDB inaugurou o cargo de“engavetador geral da república”. Em São Paulo, nos últimos anos,barrou mais de setenta pedidos de CPIs, abafando casos notórios decorrupção que estão sendo julgados em tribunais internacionais. Suacampanha promove uma deseducação política ao imitar práticas daextrema direita norte-americana em que uma orquestração de boatosdissemina dogmas religiosos. A celebração bonapartista de sua pessoa,em detrimento das forças políticas, só encontra paralelo na campanhade 1989, de Fernando Collor.


Fábio Konder Comparato, USP
Carlos Nelson Coutinho, UFRJ
Marilena Chaui, USP
João José Reis, UFBA
Dermeval Saviani, Unicamp
Emilia Viotti da Costa, USP
Ronaldo Vainfas, UFF
José Arbex Jr., PUC-SP
Emir Sader, UERJ
Antonio Carlos Mazzeo, Unesp
João Quartim de Moraes, Unicamp
Sidney Chalhoub, Unicamp
Bernardo Ricupero, USP
Lincoln Secco, USP

Obs: São centenas de professores e intelectuais que assinam este manifesto. Deixei apenas aqueles que já li algum livro ou artigo.

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História UEM.

18 outubro 2010

O Analfabeto Político:

O Analfabeto Político
Bertolt Brecht

O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.

O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais.

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História pela UEM;

17 outubro 2010

Dilma e a Fé Cristã , Por Frei Betto

Conheço Dilma Rousseff desde criança. Éramos vizinhos na rua Major Lopes, em Belo Horizonte. Ela e Thereza, minha irmã, foram amigas de adolescência. Anos depois, Dilma e eu nos encontramos no Presídio Tiradentes, em São Paulo. Ela na ala feminina, eu na masculina, com a vantagem de, como frade, obter permissão para, aos domingos, monitorar celebração litúrgica na Torre, como era conhecido o espaço que abrigava as presas políticas.

Aluna de colégio religioso na juventude, dirigido pelas freiras de Sion, Dilma, no cárcere, participava ativamente de orações e comentários do Evangelho. Nada tinha de "marxista ateia". Aliás, raros os presos políticos que professavam convictamente o ateísmo. Nossos torturadores, sim, o faziam escancaradamente ao profanarem, com toda violência, os templos vivos de Deus: suas vítimas levadas ao pau-de-arara, ao choque elétrico, ao afogamento e à morte.

Em 2003, deu-se meu terceiro encontro com Dilma, em Brasília, nos dois anos em que participei do governo Lula. De nossa amizade posso assegurar que não passa de campanha difamatória - diria mesmo, terrorista - acusar Dilma Rousseff de "abortista" ou contrária aos princípios evangélicos. Se um ou outro bispo critica Dilma, há que lembrar que, por ser bispo, nenhum homem é santo.


Poucos bispos na América Latina apoiaram ditaduras militares, absolveram torturadores, celebraram missa na capela de Pinochet... Bispos também mentem e, por isso, devem, como todo cristão, orar diariamente "perdoai as nossas ofensas..."

Dilma, como Lula, é pessoa de fé cristã, formada na Igreja Católica. Na linha do que recomenda Jesus, ela e Lula não saem por aí propalando, como fariseus, suas convicções religiosas. Preferem comprovar, por suas atitudes, que "a árvore se conhece pelos frutos", como acentua o Evangelho. É na coerência de suas ações, na ética de seus procedimentos políticos, na dedicação ao povo brasileiro, que políticos como Dilma e Lula testemunham a fé que abraçam.

Sobre Lula, desde as greves do ABC, espalharam horrores: que, se eleito, tomaria as mansões do Morumbi, em São Paulo; expropriaria sítios e fazendas produtivos; implantaria o socialismo por decreto...

Passados quase oito anos, o que vemos? Vemos um Brasil mais justo, com menos miséria e mais distribuição de renda, sem criminalizar movimentos sociais ou privatizar o patrimônio público, respeitado internacionalmente.

Nas breves semanas que nos separam hoje do segundo turno, forças de oposição ao governo Lula haverão de fazer eco a todo tipo de boataria e mentiras. Mas não podem alterar a essência de uma pessoa. Em toda a trajetória de Dilma, em tudo que ela realizou, falou ou escreveu, jamais se encontrará uma única linha contrária ao conteúdo da fé cristã e aos princípios do Evangelho.

Certa vez, relata o evangelista Mateus, indagaram de Jesus quem haveria de se salvar. Para surpresa dos que o interrogaram, ele não respondeu que seriam aqueles que vivem batendo no peito e proclamando o nome de Deus. Nem disse que seriam aqueles que vão à missa ou ao culto todos os domingos. Nem disse que seriam aqueles que se julgam donos da doutrina cristã e se arvoram em juízes de seus semelhantes.

A resposta de Jesus surpreendeu-os: "Eu tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; estive enfermo e me visitastes; nu e me vestistes; oprimido, e me libertastes..." (Mateus 25, 31-46)

Jesus se colocou no lugar dos mais pobres e frisou que a salvação está ao alcance de quem, por amor, busca saciar a fome dos miseráveis, não se omite diante das opressões, procura assegurar a todos uma vida digna e feliz.

Isso o governo Lula tem feito, segundo opinião de 77% da população brasileira, como demonstram as pesquisas. Com certeza, Dilma, se eleita presidente, prosseguirá na mesma direção.

Frei Betto é escritor, autor de "Um homem chamado Jesus" (Rocco), entre outros livros – Contatos: http://www.freibetto.org/ e twitter:@freibetto

Por: Cássio Augusto: professor e mestrando em História UEM

14 outubro 2010

Há dois caminhos:

A decisão é unicamente nossa. Certo?
Errado.

Dependeria de nós a livre decisão se não houvesse por trás de todo este processo ao qual estamos inseridos, os interesses de classes abastadas. Não fosse o jogo sujo daqueles que não comungam com os princípios sociais da partilha para o bem comum. Aí sim a escolha seria unicamente nossa.

Se o jogo fosse limpo não haveria os roubos das consciências, e são os exclusivistas, os que se autodenominam elites neste mundo dividido em classes, quem criam o medo e o terror naqueles que sempre foram vítimas dos desmandos e do egoísmo das classes que promovem a distância entre o pobre e o rico.

Numa sociedade influenciável e supersticiosa, os manipuladores das mentes humanas buscam a qualquer maneira, propagar o terror no imaginário de uma população desprovida de bens materiais, mas acima de tudo, desprovida da autodefesa de sua dignidade e de seus princípios.

É exatamente por isso que vemos muitos dos beneficiados diretos dos programas de distribuição de rendas do atual governo voltando suas costas para o mesmo. Eles são vítimas da coação, da deslealdade e dos interesses de uma camada social que se nutre da dignidade alheia.

Aqueles tantos milhares carentes da autodefesa, não estão imunes ao vírus que afetam suas consciências, vírus este disseminado pelos parasitas do bem estar social, através de boatos, de calúnias e difamações, eles amedrontam os indefesos e excluídos de um sistema que os usam como escada, sistema este, idealizado exatamente por aqueles que querem desfrutar sozinhos os benefícios que uma qualidade de vida oferece.

É necessário acordarmos para não acatarmos aos interesses dos excludentes, os muitos excluídos do sistema, não tem controle de sua própria maneira de pensar e neste caso, o perigo é gigantesco, pois não são eles quem estão fazendo a escolha, e sim uma classe dominante, escolhendo por eles para o benefício não dos excluídos, porém, para o deleite dos que promovem a exclusão.

Que a esperança continue vencendo o medo. Que caia por terra a ameaça do retrocesso.

Por: Mateus Brandão de Souza, graduado em história pela FAFIPA.

13 outubro 2010

Domínio Abstrato - Veja, mas que mentira!

08 outubro 2010

Vote no Serra e ganhe:

Vote em José Serra e ganhe inteiramente grátis:

_ Ganhe a volta do Viajando Henrique Manhoso, aquele que adora posar de sociólogo e professor da Sorbone-França, mas que quando eleito pediu para que o povo esquecesse tudo o que ele tinha escrito. Resultado, saiu do governo com 24% de aprovação popular;

_ Ganhe a volta dos caciques rejeitados nas urnas nordestinas nestas eleições: Tasso Jereissati, Arthur Virgílio, Marco Maciel, Raul Jungmann, César Maria, Rita Camata, Efraim Morais...

_ Ganhe mais rodovias privatizadas, mais pedágios, mais custos para o transporte e o escoamento da safra;

_ Ganhe menos universidades públicas, onde nossos jovens podem estudar de graça; Afinal, foi governo FHC/PSDB, nunca antes na história deste país se criaram tantos cursos privados e de qualidade duvidosa;

_ Ganhe mais desmatamento das nossas florestas, para que o Agronegócio que só produz para a exportação, possa expandir as suas fronteiras com cana, gado e soja;

_ Ganhe a volta da censura, pois Serra mandou embora Luis Nassif e Heródoto Barbeiro da TV Cultura, pressionou o Estadão a dispensar Maria Rita Kehl...

_ Ganhe o fim das CPIs. No governo FHC os tucanos esbravejavam contra as investigações e em São Paulo, Serra conseguiu arquivar mais de oitenta delas;

_ Ganhe o sucateamento do ensino público. Serra é odiado pelos professores de São Paulo que apelidaram o PSDB de Pior Salário Do Brasil;

_ Ganhe a volta do “rei do panetone” José Roberto Arruda, ex-governador do Distrito Federal e que era o mais cotado para ser o vice de Serra nesta eleição;

_ Ganhe a volta do DEMOcratas (ex-PFL, PDS, ARENA, UDN e eternos golpistas) que foram rejeitados pelo povo nas urnas, mas nunca serão esquecidos pelos historiadores;

_ Ganhe a volta da conivência com a corrupção, pois no governo FHC as investigações da Polícia Federal eram todas engavetadas;

_ Ganhe a volta das privatizações que venderam a preço de banana a Vale do Rio Doce, a Embratel, a Companhia Siderúrgica Nacional e até conseguiram vender parte da Petrobrás;

_ Ganhe o retorno de esquemas como o SIVAM, PROER, Caixa-Dois de campanha, TRT paulista, grampos telefônicos, Marka/FonteCindam, DNER, SUDAM, SUDENE, FAT, etc...

_ Ganhe a volta do dóllar a quase R$ 3,00!!!

_ Ganhe mais a volta dos queridos Eduardo Jorge, Ricardo Sérgio, Ronivon Santiago, João Maia, Chicão Brígido, Luiz Carlos Mendonça de Barros, André Lara Resende, Luiz Estevão,

_ Ganhe a volta do abuso de Medidas Provisórias;

_ Ganhe o apoio a ditadores como Fujimori;

_ Ganhe a volta das nossas dívidas com o FMI (pagas por Lula) e da explosão da dívida externa;

_ Ganhe a volta das epidemias de dengue que o ex-ministro Serra não conseguiu evitar;

_ Ganhe a volta do racionamento de energia elétrica, que foi solucionado quando Dilma Rousseff foi ministra de Minas e Energia;

_ Ganhe a volta a subserviência internacional, com o Brasil tendo papel pífio nos encontros internacionais e na ONU;

_ Ganhe os massacres aos movimentos sociais, como por exemplo Eldorado dos Carajás. Para o PSDB a fome é uma questão de polícia;

Precisamos REFRESCAR a memória do brasileiro, para que o país não volte aos anos de recessão, atraso e subserviência que foram o governo de FHC/PSDB. Com Lula o Brasil melhorou e agora não pode parar.

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História pela UEM.

07 outubro 2010

Vamos discutir o Brasil:

Qual a melhor forma de se vencer um debate sem precisar debate? Já disse aqui, que a melhor forma é desqualificar o seu oponente, difamá-lo e assim, evitar que ele seja ouvido. Nesta campanha eleitos, e-mails contento os mais variados tipos de absurdos, têm feito bem este papel.

Vamos decidir quem será o próximo presidente do país e o que estamos debatendo? Nada. Mais do que um plebiscito para dizer qual governo foi melhor, se Lula ou FHC; mais do que uma disputa para saber quem é menos corrupto, se o PT ou o PSDB; mais do uma corrida para ver quem é mais “cristão”, se Dilma ou Serra, o que devemos discutir mesmo é qual o “modelo de Estado” que os dois grupos políticos propõe. Isso é o fundamental nesta eleição e nos remete à uma discussão ideológica.

Para o grupo ligado à José Serra (PSDB, DEMOcratas), o Estado deve ser mínimo, ou seja, o Estado deve intervir o mínimo possível na sociedade. Estas pessoas, muito ligadas ao modelo “neoliberal”, entendem que a sociedade deve se auto-regular, a partir da competição, do “que vença o melhor, o mais preparado”, em defesa do individualismo. Para este grupo, o Estado não deve ter empresas, estradas, escolas ou universidades, mas apenas, “regulamentar a livre iniciativa”. Em outras palavras, trata-se do ideal de “salve-se quem puder”. Por exemplo, o governo FHC não criou nenhuma nova universidade pública, vendeu empresas, tentou vender a Petrobrás, privatizou rodovias, etc. Serra fez a mesma coisa no governo de São Paulo. Dizem que querem esperar o “bolo crescer” para depois cortá-lo.

Para o grupo ligado à Dilma Rousseff (PT, PMDB), o Estado deve ser máximo, ou seja, o Estado deve intervir o máximo possível na sociedade. Estas pessoas entendem que o Estado deve intervir na economia, regulando a “livre iniciativa”, e diminuindo a competição exacerbada, isto é, em favor do coletivismo e da solidariedade. Para este grupo, o Estado deve ter empresas para competir no mercado e poder baixar os preços, deve ter rodovias públicas, universidades e escolas públicas, garantindo a todos os cidadãos, melhores condições de vida e informação e não apenas àqueles que podem pagar por isso. Por exemplo, no governo Lula foram criadas quatorze novas universidades públicas, a Petrobrás foi reforçada, rodovias receberam investimentos, pobres têm pelo menos o que comer, etc. Aqui, querem “cortar o bolo” enquanto ele cresce.

Você eleitor, pode escolher entre estes dois modelos de Estado que simplifiquei aqui. Na democracia somos livres para isso. No entanto, não é justo sair por aí dizendo que tal ou qual candidato é isso ou aquilo e que este é o motivo para você votar ou não. Escolha entre um dos dois modelos. Eu tenho uma clara preferência pelo “Estado máximo” que possa tornar as condições de vida da população mais igualitárias, diminuindo a miséria e com isso gerar menos desigualdade social e por conseqüência, menos violência. O grupo ligado à candidatura de José Serra não quer que este debate venha à tona.

Por: Cássio Augusto – professor e mestrando em História pela UEM.

05 outubro 2010

Epístola aos companheiros:

O perigo está em derredor, não podemos fechar os olhos quanto à ameaça iminente que coloca em risco as conquistas obtidas e que custaram à vida dos muitos militantes que tombaram na luta pela democracia. Não podemos jogar no lixo os preciosos ganhos que nasceram da luta renhida contra a opressão e o descaso, os ganhos especialmente obtidos nos dois últimos quadriênios de uma administração que buscou dignificar uma massa populacional nunca antes assistida pelos antecessores que tiveram o exercício do poder.

Obviamente que há muita coisa a ser feita, nos é exigido ainda um trabalho árduo para desfrutarmos de algo ainda longe de uma plenitude, mas também, é evidente que seguimos em frente importantes passos rumo ao porto seguro onde a distribuição de rendas qualificou a vida de tantos brasileiros de tantas famílias em um Brasil que outrora fora sempre massacrado pelos desgovernos, pelos interesses das classes dominantes e exclusivistas.

Está claro que abrimos mão de pontos estratégicos do nosso discurso originário, mas é também importante considerar que se assim não fosse, sequer o mínimo do que foi feito seria possível acontecer. Não nos igualemos aos insensatos que não reconhecem os progressos adquiridos desde que nossa sigla chegou ao comando da nação, estes, não admitem as diferenças favoráveis aos desvalidos quando comparadas aos que nos antecederam, as diferenças, estão externadas na aprovação de todos aqueles que saíram do lodo fétido do abandono a que estavam destinados em tempos anteriores.

Estamos correndo o risco do retrocesso, e é importante que desperte em cada um de nós o espírito da militância para o combate contra o monstro que ameaça a dignidade de nossa gente, que caia por terra o levante oponente, exclusivista e elitizado. É importante aclararmos as benesses surgidas nos últimos anos em que estivemos responsáveis pelo destino da nação onde de fato nunca na história deste país o pobre tornou-se menos pobre.

Não fosse nossa política em favor dos excluídos, milhares de brasileiros teriam morrido de desnutrição, não fosse nossa maneira de criar viabilizações, muitos profissionais com formação superior sequer teriam entrado nos pátios das faculdades, não fosse ainda nossa política voltada às agruras da população pobre, muitos brasileiros não teriam a honra de um teto para morar.

Há, porém aqueles que jamais aceitaram a idéia de que as riquezas deste país fossem divididas com os pobres e são estes que tentam a qualquer medida impedir que continuemos nossa caminhada em prol da dignidade humana.

Ainda temos tempo, não podemos esperar que a própria sorte nos livre do retrocesso, porém que sejamos combatentes ácidos na luta interminável contra a opressão, a coação e a exclusão social.

Que cada um de nós os conscientes e favoráveis ao bem comum, consigamos impedir que morra em nossos corações e nos corações de nossa gente a semente da esperança de dias cada vez melhores. Que a real esperança oficializada nos pleitos de 2002, continue vencendo o medo inventado por aqueles que são adversos ao bem comum da nação. Ergamos nossas cabeças e vamos ao combate das injúrias, das difamações e de tudo aquilo que deprecie e hostilize os que buscam favorecer as classes dominadas e oprimidas. E aos que acham que a caminhada foi lenta, que considerem o valor da caminhada, pois de qualquer forma caminhamos e é para frente que se anda.

Não devemos retroceder um único passo, não podemos de forma alguma deixar que floresça a ameaça que nos fará voltar ao ponto de partida.

A luta é interminável, ela sempre continua companheiros.

Por: Mateus Brandão de Souza, graduado em história pela FAFIPA.

03 outubro 2010

Eleições 2010

Brasil:

Marina: Com certeza, Marina Silva foi a grande vencedora desta eleição. Se tem mais umas duas semanas de campanha, era ela quem estaria no segundo turno. Agora, Marina que se cuida para não acontecer com ela o mesmo que aconteceu agora com Heloísa Helena.

PV: A propalada “onda verde” não existiu. Foi sim uma “onda Marina e contra Dilma/Serra”. Digo isso porque o PV não elegeu nenhum senador, nenhum governador e apenas 15 deputados federais. Nas cidades pequenas mesmo, o PV não encampou seus candidatos.

Dilma e Serra: O resultado final de 46% dos votos para Dilma estava dentro da margem de erro das pesquisas o que não era previsto foi o bom resultado de Serra com 32% dos votos. Vamos para o segundo turno.

PT x PSDB: Na guerra particular entre as duas legendas, acho que o PSDB saiu-se melhor. Conquistou o governo de importantes estados como Paraná, São Paulo e Minas Gerais enquanto o PT ficou com a Bahia e o Rio Grande do Sul.

Senado: A composição do novo Senado da República contará com uma grande bancada pró-Dilma. O PMDB elegeu 16 senadores e o PT fez 11, enquanto o PSDB apenas 5.

Câmara: Na Câmara dos Deputados, acontece a mesma coisa. O PT foi o mais votando elegendo 88 deputados e o PMDB em segundo com 79.

DEMOcratas: O grande perdedor desta eleição é com certeza o DEMOcratas, que além de fazer apenas 2 senadores, elegeu 43 deputados. Continua como a quarta força partidária, mas seguido de perto por PR, PP e PSB.

PSC: O partido que mais cresceu a sua bancada na Câmara dos Deputados foi o PSC. Eram 9 deputados agora são 17.

Fora: Nos livramos de reacionários do tipo de: Paulo Souto, Tasso Jereissati, Efraim Morais, Marco Maciel, Raul Jungmann, Ricardo Barros, César Maia, Romeu Tuma, Arthur Virgílio, Mão Santa e Heráclito Fortes. Assim sim o Brasil pode mais.

Dentro: Em compensação, teremos Tiririca e Romário na Câmara. Pelo menos não foi o suficiente para eleger Marcelinho Carioca, Popó e Mulher Pêra.

PSOL: Fico preocupado com o PSOL. Por mais que tenha eleito dois senadores no Norte do país, sua grande líder Heloísa Helena não venceu em Alagoas e no Rio Grande do Sul, Luciana Genro apesar dos seus 129 mil votos, não conseguiu entrar por causa da legenda. O Brasil perde. No total o PSOL fez apenas 3 deputados federais.

Pequenos: Partidos muito pequenos, sem grande expressão ideológica e de massa, também elegeram seus deputados. O PMN fez 4, o PT do B fez 3, PHS, PRTB e PRP com 2 cada e PSL e PTC com um parlamentar.

Pequenos 2: Enquanto isso, os pequenos com ideologia, tipo PSTU, PCB e PCO continuam sem representação na Câmara. Precisam repensar suas estratégias.

Legendas: Coisas que a eleição proporcional faz: Rogério Marinho do PSDB-RN com 105 mil votos não se elegeu enquanto Paulo Wagner do PV-RN entrou com 55 mil; Luciana Genro do PSOL-RS com 129 mil votos não se elegeu enquanto Alexandre Roso do PSB-RS entrou com 28 mil; Vanderlei Macri do PSDB/SP com 111 mil não se elegeu enquanto Salvador Zimbaldi do PDT-SP com 42 mil entrou; Nelson Bonier do PMDB-RJ com 73 mil votos não se elegeu enquanto Jean Wyllys (aquele do BBB) do PSOL-RJ entrou com 13 mil votos; Odílio Balbinotti PMDB-PR com 84 mil votos não se elegeu enquanto Leopoldo Meyer do PSB-PR entrou com 38 mil.

Resultados do Paraná aqui:

Beto: Beto Richa e a “turma do Lerner” irão governar o Paraná. Diferença de cerca de 400 mil votos. Achei que seria menor. Agora é torcer para que o Beto não venda a Copel, as outras estradas, o Porto de Paranaguá e não se esqueça dos professores.

Senado: Disputa apertada foi para o Senado no Paraná. Todo mundo embolado na casa dos 20%. Para sorte do Paraná, Gleisi e Requião foram eleitos.

Deputados do PR: Ratinho Júnior fez muito voto e poderá nas próximas tentar vôos mais altos (leia-se Senado ou Governo), além disso, levou com ele mais três deputados. Frangão continua prestigiado pelo trabalho que desenvolve junto aos municípios. Das 30 vagas paranaenses, 21 ficaram com pró-Dilma.

Fora: Políticos de prestigio não conseguiram se eleger, alguns até com grande votação. Odílio Balbinotti, Setim, Marcelo Almeida, Luis Nishimori, Afonso Camargo e Chico da Princesa, por exemplo. Além disso, os sobrenomes famosos não foram suficientes para Paulo Rosenmann e Pedro Guerra.

Assembléia: No Legislativo paranaense, Beto Richa ficou longe de fazer a maioria dos deputados. No entanto, a gente sabe como é né, poucos são os parlamentares que não se aproximam do governo em troca de verbas.

Paranavaí: Apesar do grande número de candidatos a deputado federal por Paranavaí, nenhum conseguiu se eleger. O mais votado foi José Augusto Felipe com pouco mais de 20 mil votos.

DEMOcratas: No Paraná o partido também não teve grande votação para deputado federal. Apenas dois eleitos. O cacique Abelardo Lupion mesmo entrou pela conta, na última vaga da legenda. Dois mil votos separam Lupion do 1º suplente que é Setim.

Resultados de Nova Londrina aqui:

Serra: Em Nova Londrina, José Serra venceu Dilma por uma diferença de 70 votos. Normal, se comparado com as sempre derrotas de Lula na cidade. Vamos ver o segundo turno. Detalhe para os 631 eleitores de Marina, os poucos 23 votos para Plínio e o 1 voto em Rui Costa Pimenta do PCO. No restante da Comarca deu Dilma.

Osmar: Assim como nas outras cidades da Comarca, Osmar Dias venceu em Nova Londrina. Cerca de 800 votos de diferença. Andei vendo outras cidades do noroeste e só deu Osmar. Será que ficaremos esquecidos pelo governo de Beto Richa?

Gleisi: No Senado, Gleisi foi a mais votada na cidade. Requião foi o segundo.

Federais: Vitória acachapante de Frangão em Nova Londrina. Foram exatos 3.288 votos, ou seja, 46% do total. Depois vieram Balbinotti com 868 votos, Setim com 630 votos e Zeca Dirceu com 320 votos.

Derrota: Para a atual administração municipal tratou-se de uma grande derrota na cidade. Em uma conta rápida, somados os votos dos candidatos apoiados pelo atual governo (Balbinotti, Setim, Dirceu, Canziani) temos 2010 votos. Já os candidatos da “oposição” (Frangão, Kaefer, Borghetti e Couto) temos 3619 votos.

Representação: Pior que isso, é o fato de que Odílio Balbinotti e Setim, os principais candidatos do atual governo municipal, não conseguiram se eleger para a Câmara Federal. Ambos ficaram na 1ª suplência e ainda podem assumir.

Estaduais: Teruo Kato foi o grande vencedor em Nova Londrina com 2.136 votos, ou 30% do eleitorado. Em seguida vieram Accorsi com 946, Enio Verri com 932 e Evandro Júnior com 855.

Vitória: Contrastando com o resultado para Federal, para os deputados Estaduais o atual governo municipal conseguiu emplacar os seus. Em uma conta rápida, somados os votos dos candidatos apoiados pelo atual governo (Kato e Accorsi) temos 3082 votos. Já os candidatos da “oposição” (Verri, Evandro e Pupio) temos 1957 votos.

PV: Alguém viu por Nova Londrina alguma propaganda pró-Marina Silva e os demais candidatos do PV? Comissões Provisórias podem rolar.

02 outubro 2010

Cansei, vou votar no Serra/PSDB:

Mudei de ideia: Vou votar no Serra

Desculpem amigos, vou votar no Serra.

"Cansei...Basta"! Vou votar no Serra, do PSDB.

Cansei de ir ao supermercado e encontrá-lo cheio. O alimento está barato demais. O salário dos pobres aumentou, e qualquer um agora se mete a comprar, carne, queijo, presunto, hambúrguer e iogurte.

Cansei dos bares e restaurantes lotados nos fins de semana. Se sobra algum, a gentalha toda vai para a noite. Cansei dessa demagogia.

Cansei de ir em Shopping e ver a pobreza comprando e desfilando com seus celulares.

O governo reduziu os impostos para os computadores. A Internet virou coisa de qualquer um. Pode? Até o filho da manicure, pedreiro, catador de papel, agora navega...

Cansei dos estacionamentos sem vaga. Com essa coisa de juro baixo, todo mundo tem carro, até a minha empregada. " É uma vergonha! ", como dizia o Boris Casoy. Com o Serra os congestionamentos vão acabar, porque como em S.Paulo, vai instalar postos de pedágio nas estradas brasileiras a cada 35 km e cobrar caro.

Cansei da moda banalizada. Agora, qualquer um pode botar uma confecção. Tem até crédito oferecido pelo governo. O que era exclusivo da Oscar Freire, agora, se vende até no camelô da 25 de Março e no Brás.

Vergonha, vergonha, vergonha...

Cansei dessa coisa de biodiesel, de agricultura familiar. O caseiro do meu sítio agora virou "empreendedor" no Nordeste. Pode? Cansei dessa coisa assistencialista de Bolsa Família. Esse dinheiro poderia ser utilizado para abater a dívida dos empresários de comunicação (Globo,SBT,Band, RedeTV, CNT, Fôlha SP, Estadão, etc.). A coitada da "Veja" passando dificuldade e esse governo alimentando gabiru em Pernambuco. É o fim do mundo.

Cansei dessa história de PROUNI, que botou esses tipinhos, sem berço, na universidade. Até índio, agora, vira médico e advogado. É um desrespeito... Meus filhos, que foram bem criados, precisam conviver e competir com essa raça.

Cansei dessa história de Luz para Todos. Os capiaus, agora, vão assistir TV até tarde. E, lógico, vão acordar ao meio-dia. Quem vai cuidar da lavoura do Brasil? Diga aí, seu Lula...

Cansei dessa história de facilitar a construção e a compra da casa própria (73% da população, hoje, tem casa própria, segundo pesquisas recentes do IBGE). E os coitados que vivem de cobrar aluguéis? O que será deles? Cansei dessa palhaçada da desvalorização do dólar. Agora, qualquer um tem MP3, celular e câmera digital. Qualquer umazinha, aqui do prédio, vai passar férias no Exterior. É o fim...

Vou votar no Serra. Cansei, vou votar no Serra, porque quero de volta as emoções fortes do governo de FHC, quero investir no dólar em disparada e aproveitar a inflação. Investir em ações de Estatais quase de graça e vender com altos lucros. Chega dessa baboseria politicamente correta, dessa hipocrisia de cooperação. O motor da vida é a disputa, o risco... Quem pode, pode, quem não pode, se sacode. Tenho culpa eu, se meu pai era mais esperto que os outros para ganhar dinheiro comprando ações de Estatais quase de graça? Eles que vão trabalhar, vagabundos, porque no capitalismo vence quem tem mais competência. É o único jeito de organizar a sociedade, de mostrar quem é superior e quem é inferior.

Eu ia anular, mas cansei. Basta! Vou votar no Serra. Quero ver essa gentalha no lugarque lhe é devido. Quero minha felicidade de volta.

(autor desconhecido)

Por: Cássio Augusto – professor; bacharel em Direito; licenciado em História; mestrando em História pela UEM.

01 outubro 2010

Quem compara Vota Dilma/PT:

Por mais que alguns tentam negar, esta é uma eleição onde se está em discussão o retorno do “grupo do FHC” (candidato José Serra/PSDB) ou a continuação do “grupo do Lula” (candidata Dilma/PT). Compare os números e escolha.

Balança Comercial:
FHC: - 8 bilhões
Lula: + 239 bilhões

Reservas cambiais em dóllar:
FHC: 38 bilhões
Lula: 239 bilhões

Investimento estrangeiro no país:
FHC: 20 bilhões
Lula: 23 bilhões

Taxa de juros:
FHC: 24,9 %
Lula: 10,25 %

Média de crescimento do PIB ao ano:
FHC: 2,2 %
Lula: 3,7 %

Inflação ao ano:
FHC: 9,25 %
Lula: 6,0 %

Dívida líquida pública:
FHC: cresceu 485 %
Lula: cresceu 29%

Carga Tributária (% do PIB):
FHC: cresceu 4,04 %
Lula: cresceu 2,37 %

Gastos com pessoal:
FHC: 74 bilhões
Lula: 170 bilhões

Programas sociais (número de famílias atendidas):
FHC: 5,1 milhões
Lula: 12,4 milhões

Salário mínimo (aumento real acima da inflação):
FHC: 42 %
Lula: 75 %

Uma cesta básica equivale a:
FHC: 64% do valor do salário mínimo
Lula: 45% do valor do salário mínimo

Geração em empregos (média anual):
FHC: 100 mil
Lula: 1,3 milhões

Taxa de desemprego:
FHC: 11,75 % da população
Lula: 8,1 % da população

Investimento em saúde:
FHC: 11,8 bilhões (0,8% do PIB)
Lula: 33,7 bilhões (1,2% do PIB)

Número de pessoa pobres:
FHC: 74 milhões
Lula: 54 milhões

Número de pessoas miseráveis:
FHC: 35 milhões
Lula: 20 milhões

Investimento em educação:
FHC: 17 bilhões de reais
Lula: 51 bilhões de reais

Transferência para estados e municípios:
FHC: 77,6 bilhões (5,3% do PIB)
Lula: 185,9 bilhões (6,4% do PIB)

Crédito para habitação:
FHC: 24 bilhões
Lula: 80 bilhões

Número de famílias com esgoto:
FHC: 46 %
Lula: 53 %

Construção de Universidades:
FHC: 0
Lula: 14

Construção de extensões universitárias:
FHC: 0
Lula: 124 campi

Construção de escolas técnicas:
FHC: 0
Lula: 214

Obs: Todos os números referentes ao Governo Lula são até 2009.

Fonte: http://www.arturbruno.com.br/downloads/2010/lulaFhc.pdf



Free counter and web stats