02 setembro 2010

Histórias de assombraçãoÇ

Nosso mundo é cercado de mistérios, disso ninguém discorda, até mesmo muitos incrédulos reconhecem que de fato há coisas inexplicáveis e outras esquisitas. No campo das lendas, das crendices populares e do folclore nossa região é rica, repleta de relatos curiosos que sem dúvida provoca arrepios ou frio na espinha proporcionado pelo medo.

Quem por aqui nunca ouviu falar na loira da Matão? Segundo testemunhas oculares, trata-se de uma assustadora mulher vestida de branco que costuma pegar carona ou aparecer dentro dos veículos que trafegam por este trecho da BR 376 entre Nova Londrina e Paranavaí.

No Quatro Marcos, bairro rural do município de Marilena, moradores ou conhecedores do local temem passar durante a noite por uma frondosa figueira à beira da estrada onde muitos juram ter ouvido lamúrias ou visto debaixo da referida figueira um caixão de defunto que reluz com a claridade da lua em sua tampa.

Não estamos longe de outros contos assombrosos, quatro quilômetros separam as cidades de Nova Londrina e Marilena, a rodovia que liga uma cidade a outra é reta e aparentemente não apresenta perigos em seu percurso, porém, esta estrada é cenário de constantes acidentes e muitos deles seguidos de morte.

Neste trecho, no entanto, já foram relatadas algumas histórias assombradas onde o receio ao percorrê-lo é inevitável. Conhecedor desde minha mais terna idade do trajeto que liga os dois municípios, reconheço que esta estrada parece guardar algum mistério. Sobre os relatos já ouvidos a respeito da estrada que dá acesso à Nova londrina e Marilena, chama-nos a atenção os seguintes: Ciclistas solitários já afirmaram ter sentido o impacto e o peso de alguma pessoa que pulou na garupa de suas bicicletas, amedrontados, os ciclistas olham para trás e não vêem nada, apenas o peso do misterioso carona que o acompanha até determinado ponto da rodovia onde a subida é mais acentuada.

Outros que fazem o percurso a pé entre Nova Londrina e Marilena ou vice-versa, dizem já ter ouvido várias vozes de pessoas dialogando e rindo como se estivessem vindo de encontro com a pessoa que está indo em sentido contrário, por fim conclui-se que não há ninguém, apenas a escuridão e o vazio da noite onde os alaridos do além, calam-se inexplicavelmente.

E os relatos sombrios continuam, há quem diga ter cruzado com um vulto de olhos de fogo, outro já diz que ao percorrer o local, ter sido acompanhado por um desconhecido e este desconhecido cumprimenta-o pelo nome e após dizer e saber muito sobre sua vida e de sua família desaparece misteriosamente.

Há também a história e esta é a mais arrepiante, quem já tenha visto à sua frente cruzar apressadamente de um lado a outro da rodovia, determinado homem sem as duas pernas arrastando seu corpo com as mãos apoiadas no chão. Uma sena realmente de se arrepiar.

São, portanto histórias da nossa terra, mistérios desta região perdida nos confins extremos deste noroeste paranaense. Histórias como estas, curiosas, que podem ser apenas frutos da nossa imaginação ou do nosso medo, porém, embora muitos duvidem, ninguém tem coragem suficiente para tirar a limpo os tantos mistérios que nos assombram.

Quando criança fui morador de Marilena, naquela época não foram nem duas e nem três vezes que ouvi a história de um lobisomem que corria os arredores e as ruas da cidade, testemunhas chegaram a afirmar ter visto um homem se transformar no bicho, eu, graças a providencia divina, nada vi, mas o lobisomem ganhou destaque nas rodas de bate-papo, nas salas de aula e até mesmo na missa.

O que podemos afirmar, no entanto, é que há muitos mistérios entre o céu e a terra, coisas que a religião arrisca explicar e que a ciência torna-se inútil, pois nada tem a dizer.

De fato os seres, os espíritos do além de podem estar por aí, cuidado.

Buh!

Mateus Brandão de Souza, graduado em história pela FAFIPA fascinado por relatos desta natureza.

3 Comentários:

Às 2/9/10 10:17 PM , Blogger Mazzotti disse...

Na verdade penso q. não seria fruto da imaginação, pois qdo foi vista esta criatura se arrastando s. as pernas, estávamos em 5 no carro, então seria fruto da imaginação em grupo? quem explica???

 
Às 3/9/10 1:51 PM , Anonymous Anônimo disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

 
Às 3/9/10 3:07 PM , Blogger Mateus Brandão disse...

Pois então, como contestar se foi visto por um grupo?
Fica claro que o trecho que liga as duas cidades é cercada de mistérios.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



Free counter and web stats