08 abril 2010

A Banca do Destino

A Banca do Destino
Joanna
Composição: Billy Blanco

Não fala com pobre,
Não dá mão a preto
Não carrega embrulho
Pra que tanta pose, doutor?
Pra que esse orgulho?

A bruxa que é cega
Esbarra na gente
E a vida estanca
O enfarte lhe pega, doutor
E acaba essa banca

A vaidade é assim,
Põe o bobo no alto
E retira a escada
Mas fica por perto
Esperando sentada

Mais cedo ou mais tarde
Ele acaba no chão
Mais alto o coqueiro,
Maior é o tombo
Do coco afinal

Todo mundo é igual
Quando a vida termina
Com terra em cima
E na horizontal.

Rica em conteúdo, a “Banca do destino” faz parte do sortido acervo de nossa mpb. Composta por Billy Blanco e enriquecida com a voz de Joanna, a letra critica de forma ácida o comportamento arrogante de muitos seus fulanos e senhoras beltranas que confiantes em suas posições se julgam superiores a toda raça humana.

Uma terrencial lavada na cara de tantos orgulhosos que se acham melhores e na verdade são como todos os viventes, limitados e frágeis como a chama de uma vela que se apaga ao sopro do mais débil vento.

Por: Mateus Brandão de Souza, graduado em história pela FAFIPA.

1 Comentários:

Às 8/4/10 10:11 PM , Blogger Cássio Augusto disse...

Brilhante: "Pra que tanta pose, doutor? Pra que esse orgulho?"

Ler, eu sei que eles lêem, mas será que eles entendem??? rsrs

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



Free counter and web stats