08 janeiro 2010

É possível ou é utopia?

Estamos diante de um novo ano, ano de expectativas em relação ao cenário nacional, estadual e municipal quanto às questões econômicas, sociais que praticamente afetam, influenciam e comandam a vida de milhões de cidadãos em nosso Brasil, em nosso Paraná e em nossa Nova Londrina.

Diante dessa situação, questiona-se se é possível uma nova política em que haja efetivamente a participação popular nos destinos das prioridades que a localidade tem suas necessidades, realmente o povo discutindo e opinando nas decisões que irão elevar a qualidade de vida de todos.

Ou, se vamos persistir nas velhas idéias de gabinete, em que são decididas por meia dúzia de pessoas, que são os estrategistas (sabedores) de todas as soluções, dando ênfase a ações que não têm relação com a vontade da comunidade.Seria utopia criar uma nova política em que cada pessoa possa fazer a diferença em sua localidade, no bairro, na cidade, no meio rural, no meio em que vive? É possível quando as pessoas se dão conta de que não precisam, por toda sua vida, serem tuteladas, afagadas, anuladas por outras.

Seria utopia criar uma política que a transparência não seja da “boca pra fora”, mas que ocorra efetivamente em todos os setores públicos desde a licitação à prestação de contas de todas as secretarias em locais amplos para que a população possa acompanhar? Nossa missão é recuperar essa ética antes que a crise de representatividade destrua o estado democrático. O processo eleitoral de 2010 é mais uma oportunidade para que a sociedade assuma um papel relevante no cenário político.

Nosso desafio é contribuir para buscar novas formas de interação política, de baixo para cima, na base da sociedade. Se juntarmos as forças na sociedade em torno de uma nova plataforma de ação política, elaborada e encaminhada de modo autônomo, vamos influir efetivamente nas decisões do sistema político e, assim, melhorar a infraestrurura social, econômica, educacional.

O desenvolvimento sustentável local é a base para uma política pública séria, comprometida. Promovida por novos atores sociais, articulados em rede, sem serem coadjuvantes é a possibilidade de uma nova política, não apenas representativa e reivindicativa, mas também participativa, interativa e proativa.

É possível ou é utopia?

Por: Roberto Mitsuru Tsunokawa – professor da rede pública de ensino.

4 Comentários:

Às 8/1/10 8:00 PM , Anonymous Anônimo disse...

Dia 10 de Janeiro tem eleição para Presidente da Associação do Conjunto DR Sauer Salum que acontecerá na Escola Monteiro Lobato na 180 casas...

 
Às 10/1/10 5:05 PM , Anonymous Anônimo disse...

Caro amigo Luciano ou quem puder me responder!
QUANDO INICIA OS TRABALHOS DA CÂMARA MUNICIPAL NESTE ANO?
QUERO COMEÇAR A ACOMPANHAR DE PERTO OS TRABALHOS DO LEGISLATIVO MUNICIPAL!
UM GRANDE ABRAÇO

 
Às 11/1/10 9:47 AM , Blogger PROF ROBERTO disse...

Caro anônimo, os trabalhos na cãmara começam dia 15 fevereiro...abraços

 
Às 11/1/10 7:32 PM , Anonymous Anônimo disse...

OBRIGADO ROBERTO PELA INFORMAÇÃO!

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



Free counter and web stats