21 maio 2009

“Até tu Brutus”?

As vezes o poder dá a quem o tem, a ilusória sensação de ser intocável. A posição confortável e invejável desperta no indivíduo o ilusionismo de ser imbatível, tornando-se assim um inconseqüente.

Foi assim com Julio César, o maior homem da Roma republicana e expansionista. Em seus melhores dias, César adquiriu status, títulos, poder e popularidade. Motivado pelo conforto de seus privilégios, César passou a não medir as conseqüências de suas ações, não se deu conta que suas atitudes despertavam perículosa ira e a mais cega inveja em seus subordinados mais próximos.

Numa fatídica tarde, em pleno senado romano, caía por terra, de forma imbecil, o homem mais poderoso de Roma. César, aquele que se julgou Deus, ditador perpétuo, o amante da rainha Cleópatra do Egito, poderoso, temido, foi assassinado por senadores com estocadas de punhais, dentre os agressores, Brutus, seu próprio filho.

Quando César se deu conta de que ali era o fim de sua jornada, fitou com as vistas turvas seu filho entre seus algozes e balbuciou estas últimas palavras:

“Até tu Brutus, meu filho”?

Esta frase sobreviveu aos tempos, tendo a conotação de decepção, desapontamento e admiração negativa.

Sendo assim, nos atentemos ao exemplo de César, para policiarmos nossos atos, para quando formos líderes, chefes ou senhores, sejamos convenientes, providos de noção e cientes dos nossos limites.

Saibamos que a humildade, a ponderação e a cautela, são degraus que destinam à sabedoria, estes são alicerces fortes que edificam grandes homens. A prudência, os pés no chão, são componentes, complementares de sábias consciências. Não esqueçamos a humildade, atentemos para o fato de que para todas as coisas, são estabelecidos limites. Cuidado para não inflamarmos a ira e o desgosto de outros, pois toda ação produz reação.

Não nos iludamos com o abuso, com o fazer e acontecer, há ainda muitos César, mas também há muitos senadores e Brutus, ávidos, prontos para fazer cair por terra todos os César inconseqüentes e que erroneamente se julgam imbatíveis.

Por: Mateus Brandão de Souza. Graduado em história pela FAFIPA, é professor de história do curso pré-vestibular do colégio Pequeno príncipe em Nova londrina.

3 Comentários:

Às 21/5/09 6:28 PM , Anonymous PROF ROBERTO disse...

A GRANDE QUESTAO QUE AS PESSOAS TORNEM-SE "CESARES" ESTÁ NA FORMAÇÃO FAMILIAR, EDUCACIONAL, RELIGIOSA E POLÍTICA. POR ISSO, DEVEMOS ANALISAR QUEM COLOCAMOS NO PODER DE QUAISQUER SETOR...PARABÉNS PROF MATEUS

 
Às 26/5/09 11:22 AM , Blogger o futuro depende de nois disse...

eu particularmente conheço um ser dessa formaçao.se nao era agora esta o sendo.um verdadeiro cesar.nova londrina citiada,salve-se quem puder..

 
Às 28/5/09 11:20 AM , Blogger Cássio Augusto disse...

Qualquer semelhança com fatos ou circunstâncias atuais e locais, terá sido mera coincidência! rsrs

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



Free counter and web stats