02 abril 2009

Rico versus Pobre:

Hoje mais do que nunca, assistimos a decadência da moral, do caráter, dos princípios humanos e do bom costume. O poder, o dinheiro a ganância pelo ter, corrompe o ser humano, o desumaniza e o faz injusto. A sede pelo possuir em muitas das vezes deixa o homem orgulhoso, preconceituoso e em outras ocasiões, transforma o indivíduo num ser pérfido.

Vivemos na época do vale quanto pesa, você vale exatamente a quantia de sua conta bancaria ou de seus bens materiais, sendo assim, para o indivíduo que tem posses, tanto faz ele ter caráter ou não, para o endinheirado, dá no mesmo ser honesto ou traidor, a escolha ele faz de acordo com o peso de sua consciência, uma vez que ser bom ou ruim não implicará em sua conduta frente aos que o julgam, aliás, dificilmente um rico é julgado por alguma falta de qualidade.

O pobre obviamente, não pode se dar ao luxo de escolher sua conduta sem sair lesado, neste mundo corrompido, pobre tem que ser bonzinho, honesto, compreensivo, pacífico e trabalhador. Ao pobre é dever andar na ordem e se deixar adestrar, ao indivíduo desafortunado está traçado o destino de servir com exemplo e retidão, mesmo que o conforto e a dignidade não esteja de forma alguma a ele reservado, ao pobre cabe a submissão e o conformismo.

Um exemplo clássico na distinção pobre e rico está na questão relacionada a vida amorosa, nesta sociedade maculada e demagoga o indivíduo pobre porém de caráter, boa índole tem forte chance de perder a mulher amada para o primeiro forasteiro endinheirado que lhe fizer oposição, mesmo sendo desonesto, o rico tem larga vantagem numa possível disputa amorosa.

Ter dinheiro é o mesmo que jogar com cartas marcadas, é ter carta na manga, é estar sempre na vantagem, não é a toa o alto índice de pobres revoltados por sua condição de vida, a ausência do dinheiro a má distribuição de riquezas, forma uma sociedade de cidadãos injustiçados, à margem da qualidade de vida. Ser pobre não é estar em desvantagem apenas no montante de cifras, ser pobre é ser espezinhado, é não desfrutar de justiça e ser hostilizado.

A própria sociedade desprovida de dinheiro, desvaloriza o indivíduo igualmente pobre, ao rico, além de sua vantagem financeira, ele pode ser feio, devasso, imoral, porem sua moral permanecerá intacta, farão vistas grossas quanto aos seus defeitos, o fato do indivíduo ter dinheiro, o isentará de qualquer mácula. Claro que a falta de qualidade moral não é uma particularidade dos indivíduos ricos, mas a ausência dela surtirá mais efeito ao pobre do que ao rico.

Nos meios da moda, a índole de uma pessoa é medida pela etiqueta de suas roupas, pelo carro que dirigem e pelo imóvel em que moram. Quando pobre, cai por terra a inteligência, a honestidade se torna nula, os valores morais não são contabilizados quando esta ou aquela pessoa não tiver em mãos o fator dinheiro para por em jogo.

O rico é rodeado de “amigos”, ao rico está os bons convites, os melhores lugares, as mulheres lindas, enfim, a parte boa desta vida passageira está destinada ao rico. Aos reles mortais restam o resto, assim funciona e é a realidade de nossa gente, ao pobre é imposto muitas barreiras, faltas de oportunidade, entraves e dificuldades.

O pobre por melhor que seja, será sempre olhado de soslaio, neste mundo cão, viver é para o pobre um padecimento, sobreviver é uma proeza. Augusto dos Anjos em um de seus poemas nos diz: “O homem que neste mundo vive entre feras, sente inevitável necessidade de também ser fera”

Assim seguimos, nos tornando cada vez mais corrompidos, injustiçados e perseguidos, o maior castigo de tudo isso, é ter-se a consciência desta condição desfavorável que estamos imergidos. O lado podre da maçã clama, temos fome e sede de justiça, saciem-nos.

Por: Mateus Brandão de Souza, pobre e graduado em história pela FAFIPA.

2 Comentários:

Às 3/4/09 8:15 PM , Anonymous Anônimo disse...

ENQTO ESTIVERMOS NO SISTEMA CAPITALISTA, SERÁ UM ETERNO DUALISMO...NÃO ESQUEÇA A MÍDIA CUMPRE SEU PAPEL....

 
Às 13/4/09 1:42 PM , Anonymous Arthurius Maximus disse...

O pobre é algoz dele mesmo.

Quanto ao comentário do Anônimo, só um detalhe: Nunca houve tanta concentração de renda como nos regimes socialistas da antiga URSS e de Cuba. Compare a vida das elites do partido e do proletariado?

A concentração de riqueza e a corrupção são um mal da humanidade e não de sistemas econômicos.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



Free counter and web stats