29 janeiro 2009

He Anos 80!

Ouve-se dizer por aí que os anos 80 deixou saudades, há até mesmo nos grandes centros, danceterias especializadas em tocar sucessos dessa época que de fato é gostoso lembrar. Como eram as coisas nos anos 80?

As crianças dos primeiros anos de 1980, tinham ainda em suas casas uma grande TV em preto e branco valvulada nas marcas Telefunken ou Colorado, Sergio Chapelin e Cid Moreira eram quem se despediam com o tradicional “boa noite” no jornal nacional. Ainda na TV, nos chocávamos com as maldades praticadas contra Kunta Kintê no seriado Raízes.

Nos deliciávamos com o Sítio do picapau-amarelo de dona Benta vivida por Zilka Salaberry e Tia Anastácia por Jacira Sampaio, havia também o desenho animado dos Flisntones na idade da pedra. Foi em 1982 que vimos a Itália de Paolo Rossi despedir o Brasil e tornar-se campeã do mundo na copa da Espanha, perdíamos também por estes tempos o Craque Mané Garrincha e as cantoras Elis Regina e Clara Nunes.

Nos meados da década de 80, Simoni, Jairzinho e Fofão apareceriam na turma do balão mágico, e quem não se lembra da Pantera-cor-de-rosa, do mister Magoo, da corrida maluca de Penélope Charmosa, da formiga atômica ou do Pepe legal? Havia também o Incrível Hulck, o Homem de 6 milhões de dólares, a Mulher Maravilha, o Casal 20 e nas noites de Sexta feira após a novela, os sucessos das paradas eram apresentados no Globo de Ouro.

Clube do Bolinha, quando a “Band” era Bandeirantes, Cassino do Chacrinha com suas Chacretes bonitas sempre lembradas nos demorados banhos, Xuxa viria depois com seu “Xou” cantando ilariê. Vovó Mafalda, papai Papudo e Salcí Fufu completavam a festa do palhaço Bozo. Aos domingos pela manhã, Silvio Santos apresentava o Domingo no Parque e às dezenove horas ríamos com as atrapalhadas de Didi, Dedé, Mussum e Zacarias.

Dias Gomes em 1985 encantou o país com o Roque Santeiro de Sinhozinho Malta e viúva Porcina. Por este tempo, Chico Anísio esbanjava talendo no Chico Anísio Show e no rádio ouvíamos Gil Gomes, Ely Correia e Zé Bétio sempre com o ouvido colado num Motoradio 6 faixas ondas curtas, tropicais e médias. As músicas ainda eram em LPs, onde eram ouvidas nas inefáveis Toca-discos.

Os noticiários internacionais giravam em torno de Roanld Reagan e Margareth Teacher, em 1985 nosso presidente ainda era João Batista Figueiredo um militar, seu sucessor, Tancredo Neves morreria antes mesmo de tomar posse, José Sarney viria em seguida com o plano cruzado.

O Cometa Halley e a vitória da França de Michael Platini contra o Brasil na copa do México foram os maiores fiascos de 1986, época da Rede Manchete e quando um seleto grupo de crianças assistia ao Bambalalão da TV Cultura de São Paulo.

Raul Seixas aprecia na TV sentado num tapete voador cantando o Carimbador maluco e as nossas bicicletas eram as monaretas, nas ruas, as crianças jogavam bolinhas de gude, brincavam de esconde-esconde, balança caixão, “balança você, dá um tapa na bunda e vai se esconder”, vagalume tentem, teu pai ta aqui, tua mãe também, comendo mingal com a colher de pau”. Haviam também os carrinhos de rolimã e as caçadas de estilingues.

Os homens babavam com Gretchen rebolando seu bumbum cantando Conga Araconga, conga, conga, conga. Nós víamos revistas de mulher pelada escondidos, pois segundo nossas mães era pecado.

As montadoras de automóveis orgulhavam-se de seus Del Reys e de suas Belinas enquanto os fuscas se despediam das fábricas tornando-se tão saudosos quanto os anos 80.

Esta década se despediu com as eleições diretas para presidente da República com presidenciáveis como Marronzinho, Mario Covas, Ulysses Guimarães, Enéas Carneiro e seu sonoro “Meu nome é Eneas”, Fernando Gabeira entre tanto outros, em especial o Lula, com a música Lula lá e Collor de Mello, o caçador de marajás, este venceu Lula no segundo turno e se tornou o presidente da republica. Mas, isto é uma outra história para a história.

Assim foram os anos 80, verdes tempos que de fato marcou uma geração que viu nas décadas seguintes o grande salto tecnológico dos dias atuais e que conheceu como ninguém o analógico e o digital dos aparelhos eletrônicos.

VIVA OS ANOS 80.


Por: Mateus Brandão de Souza: Graduado em História pela FAFIPA.

7 Comentários:

Às 29/1/09 1:34 PM , Blogger Cássio Augusto disse...

Mandou bem heim Cavalo!!!

 
Às 29/1/09 2:28 PM , Anonymous Arthurius Maximus disse...

Lendo isso bateu aquela p*ta saudade... ê tempo "bão"!

 
Às 29/1/09 2:44 PM , Anonymous PROF ROBERTO disse...

OI JOVEM PROF BONS TEMPOS, SAUDOSISMO DOS ANOS 80...QUE GERAÇÃO QUE APROVEITARAM A ÉPOCA...PARABENS PELO TEXTO NOSTÁLGICO...

 
Às 29/1/09 7:38 PM , Anonymous Mateus disse...

Realmente é bom sentir saudades desse tempo.

 
Às 30/1/09 2:00 PM , Anonymous Eduardo Bajo disse...

Acho que nao reparei direito..
mas vamos lembrar do Trem da Alegria... isso que foi marcar uma época... claro ao lado do Jaspion .. Flashman ... Jiraia..
muito bom..
vlww

 
Às 30/1/09 7:20 PM , Blogger luciano disse...

NOSSA QUE VIAGEM PUXA VIDA...GRANDE MATEUS...

 
Às 30/1/09 9:01 PM , Anonymous Anônimo disse...

Claro que há outras coisas dos anos oitenta que não foram ditas, jaspion, tandercats, ultramem, a turma do manda-chuva, zé colmeia, a propaganda da margarina "cleibom" quando a menininha do desenho saía da lata e dava uma bocanhada na bolacha que estava na mão da pessoa que tava comendo, os kichutes, quem nos anos oitenta não teve um Kichute?

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



Free counter and web stats