26 outubro 2008

“Fazei isto em memória de mim!”


Quando vi no cinema o filme “A Paixão de Cristão”, a cena que mais me impressionante foi a que retratava a última ceia de Jesus com seus discípulos. Mas que significado tem esta passagem para você Cristão e seguidor de Jesus? Não sou teólogo, mas vou dar meus pitacos aqui.

Ao repartir o pão e dar a todos os que estavam ao seu redor dizendo-lhes “fazei isto em memória” de mim, Jesus ensinava aos seus seguidores que todos são iguais perante Deus, e que não deve haver entre os homens na terra qualquer diferença ou privilégios. Tudo deve ser repartido, principalmente a comida e a bebida.

É sempre bom lembrar que os primeiros cristãos viviam em sistema de coletividade. Ou seja, tudo o que plantavam, colhiam e produziam era repartido por igual entre todos os membros da comunidade. Será que só eles entenderam realmente a mensagem de Cristo?

O Cristianismo tornou-se a maior religião do mundo por questões de interesse político por parte do antigo Império Romano, e claro, apenas a parte da doutrina que interessava é mantida, o restante sofreu diversas alterações de interpretação ao longo dos anos.

Hoje em dia, o ato de comungar se reduziu a uma hóstia consagrada como “o corpo e o sangue de Jesus” dada pelo padre no altar à aqueles que “não possuem pecados”. Se você faltou na missa no domingo passado, precisa se confessar para poder comungar. É o monopólio da fé e da salvação.

Me desculpem aqueles que vêem Jesus apenas como o enviado de Deus para salvar as almas. Eu vejo Cristo como uma pessoa que queria também salvar a carne, dar de comer a quem tem fome e de beber a quem tem cede, comungando com seus irmãos e repartindo o pão entre todos.

3 Comentários:

Às 28/10/08 8:53 PM , Blogger Mauro Sérgio disse...

Frei Betto diz que não devemos nunca esquecer que Cristo foi, antes de tudo, um líder político. E foi isso que causou sua morte.

 
Às 1/11/08 7:38 PM , Blogger Joãozinho Santana disse...

Grande Cassio, é isto mesmo. Em certa passagem do livro sagrado, jesus diz, mais ou menos isto: "antes de fazer dicípulos, alimente-os", ou antes de "fazer prosélitos, dê o pão". Perfeito, antes de tudo, devemos nos indignar com a injustiça e lutar contra ela. Para mim, o cristianismo antes de tudo, nao deve ser contemplativo, mas de luta, de ação. A contemplação deve vir quando não há mais forças para a luta (esta frase é minha), ou, "deus é o deus do impossível, o possível é "cum nóis memo" (esta tb é minha!

bom o teu blog. Passa lá no meu:
www.joaozinhosantana.blogspot.com

 
Às 1/11/08 10:16 PM , Blogger Dorian disse...

Cássio,

Jesus também disse que seu reino não era desse mundo. Dar interpretações políticas aos atos de Jesus é forçar a barra. Ele foi visto como ameaça política pelos poderosos de seu tempo, o que é uma situação bastante diferente da realidade. Jesus não se insurgiu contra o poder constituido, contra as leis e nem contra os impostos da época (vide a famosa frase dai a César o que é de César).

Mauro,

Frei Betto não tem capacidade de julgamento ou de discernimento. Um religioso que apóia uma ditadura que aprisiona e mata pessoas, em nome de uma ideologia, prova sua incapacidade de tirar conclusões sensatas sobre qualquer tema.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



Free counter and web stats