08 maio 2008

EUA, hegemonia e resistência – parte 03 - FIM


Depois de pintar o quadro da realidade, precisamos projetar também ações concretas que visem a transformar este sistema genocida.

O sistema militar estadunidense, apesar de sua rápida tomada do Iraque, não é capaz de manter a “normalização” na região, assim, a guerra que aparentemente estava ganha facilmente, transformou-se hoje em uma enorme dor de cabeça para os políticos da Casa Branca. É o povo iraquiano abalando a confiância do grande Império, podendo assim inibir novas “aventuras de pilhagem” por parte dos estadunidenses.

No plano diplomático, as coisas não andam tão perfeitamente assim. Recentes e sucessivas derrotas na OMC vem dando ganho de causa a países periféricos contra os subsídios agrícolas dos Estados Unidos. Outrossim, a ALCA, com massisa participação dos povos da América Latina, não saiu do papel, e pelo visto, está longe de ser concretizada com grande facilidade, como queriam os estadunidenses.

Por fim, alguns setores da sociedade civil atuam no campo da conta-hegemonia. Povos, sobretudo dos países periféricos, têm, dentro de suas realidades, construido movimentos que vêem gerando frutos e dor de cabeça para os poderosos de seus países, intimamente ligados ao poder Imperial. Podemos citar os Zapatistas, o MST, o Fórum Social Mundial, e os diversos protestos que ocorrem quando das reuniões do G-8, fazendo com que os líderes da ordem globalizante reunam-se “em lugares remotos e inacessíveis, como se fossem uma gangue de foras-da-lei, para poderem discutir seus planos de domínio universal”.

Portanto, por mais que exista um Império Hegemônico, existem também ações contra-hegemônicas espalhadas por todo o mundo, que se bem coordenadas podem ter o condão de abalar as estruturas e ruir a odem vigente. O caminho é difícil, longe e exaustante, mas como diria o sonhador “Hasta La Victoria Siempre”.

Obs: Textos inspirados no artigo “Hegemonia e Imperialismo no Sistema Internacional” de Atílio A. Boron.

5 Comentários:

Às 8/5/08 2:05 PM , Anonymous Arthurius Maximus disse...

Uma unidade militar com rígidas orientações táticas nunca conseguirá derrotar definitivamente a guerrilha. Tem-se que combater de igual forma. Mas isso contraria as leis internacionais e a cultura de honra e ética militares. Logo, um embate definitivo de terror contra terror só pode ser visto em pequena escala com as ações de grupos "clandestinos" criados pelos governos para isso. Logo a estabilização do Iraque só se daria se fossem usados os mesmos meios dos insurgentes: sequestro, tortura psicológica e morte de parentes e locais. E isso seria um duro golpe em qualquer governo "democrático".

 
Às 8/5/08 2:09 PM , Anonymous Arthurius Maximus disse...

Esqueci de complementar:

Só Israel "teve peito" de fazer isso até hoje. No episódio das Olimpíadas de Munique. Os responsáveis pelo atentado foram caçados e exterinados através de vários atentados "terroristas" promovidos pelo Mossad ao redor do mundo. Juntamente com suas famílias em mitos casos. Nunca mais os palestinos tentaram algo assim contra Israel.

 
Às 8/5/08 8:53 PM , Blogger Dorian disse...

Cássio,
Comparando o fórum econômico e o fórum social fica claro o motivo dos que você chama de "imperialistas" dominarem, por assim dizer, o mundo.

Sempre no fórum econômico tem manifestação contrária dos integrantes do fórum social.
Por quê será que quando da realização do fórum social não há manifestação contrária dos simpatizantes ou membros do fórum econômico?

Essa resposta esclarece tudo. O respeito a individualidade e a liberdade de expressão que os manifestantes não tem os coloca e por consequência também coloca as idéias que defendem em sentido contrário aos anseios da imensa maioria das pessoas.

 
Às 9/5/08 12:44 PM , Blogger Cássio Augusto disse...

Caro Dorian... ñ entendo desta forma... os políticos de Davos ñ protestam contra o Fórum Social pq para eles o Fórum Social simplesmente ñ existe... o povo ñ existe... as organizações populares ñ existem enquanto lideranças... mas sim enquanto "um bando de esquerdinhas que nunca trabalharam e que devem ser tratados como bandidos"!!!

Aliás... pq será que p encontro é em Davos??? será que é pq o local é isolado??? têm medo do que??? parecem gângsters que se reunem às escondidas para tramarem seus planos manutenção da hegemonia!!!

 
Às 10/5/08 12:41 AM , Blogger Sr. Burguês disse...

Se reunem as escondidas pra evitar que "um bando de esquerdinhas que nunca trabalharam", como vc disse, não invada o local, não solte uma bomba, ou faça outra maluquice do genero. No ultimo encontro, mesmo isolados, vc viu o tanto de gente maluca deu por lá? O tanto de problemas que eles causaram? Agora imagina se eles tivessem se reunido na padaria do seu Manuel, o pepino que não ia dar...

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



Free counter and web stats