17 abril 2008

Revista Veja e o MST durante o Governo Lula/PT:


Gostaría de convidar os leitores deste Blog a lerem meu artigo publicado na Revista Multidisciplinar Urutágua da Universidade Estadual de Maringá. Depois, se quiserem podem dar um retorno aqui no Blog e comentar. Saliento que trata-se de meu primeiro trabalho publicado em revista científica.

Link da Revista:

Link do Artigo:

Revista Veja e o MST durante o Governo Lula/PT:

Resumo: No Estado democrático, a Imprensa reivindica a imparcialidade e a independência, no entanto, a notícia também é uma mercadoria, carregada de cunho ideológico visando a manutenção da hegemonia. Para tanto, alguns padrões de manipulação são criados. A Revista Veja, durante o Governo Fernando Henrique Cardoso, esteve ligada aos interesses deste na condução de suas matérias referentes ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra, o MST, em uma visível tentativa de satanizá-lo. Quando da vitória do Presidente Lula, abertamente apoiado pelo MST, tornou-se imprescindível entender qual seria a atitude da Revista no trato com o Movimento, ou seja, se mudaria seu discurso ou não. Neste artigo, tentaremos mostrar que a Revista Veja, durante o primeiro Governo do PT buscou associar o MST a este, tentando causar pânico na população e desestabilizar o Governo.

Palavras-chave: Veja, MST e Lula.

12 Comentários:

Às 17/4/08 7:08 PM , Blogger Yvone disse...

Oi Cássio...
Parabéns pelo artigo, mais uma vez você foi contundente em expressar sua opnião.
Quanto a mim, o que tive até hoje a oportunidade de conhecer referente ao MST, infelismente é este lado baderneiro do qual tão bem retratou em seu artigo.
Moro numa região de constantes invasões deste grupo, e tenho conhecidos que participaram das invasões, ficaram acampados por um determinado tempo,depois vendem as terras que conseguem e partem para outras invasões e assim sucessivamente. Tenho contato em semanal com muitos dos filhos destes acampados na região do Pontal do Paranapanema, e eles comemtam as aventuras da qual participam entre uma invasão e outra. talvez nem todos os grupos do MST tenham a mesma forma de agir, aqui n minha região as coisas já foram bem conturbadas...
Mas respeito e concordo com a sua opnião no que se refere ao monopólio da revista quanto as manchetes a serem públicadas. Não é essa a liberdade de imprensa que o nosso Brasil precisa...
Sou uma pessoa aberta a discussões , e se você puder me mostrar o MST com outro olhar , eu gostaria de conhecer!!!
Parabéns pela sua ousadia e coragem e determinação ... Te admiro muito....

 
Às 18/4/08 12:31 PM , Blogger laurez disse...

Cássio, não encontrei seu e-mail no blog. Aproveito para disponibilizar o artigo sobre Suharto em seu blog. Este foi publicado no Carta Maior, onde sou colunista, em fevereiro.O original está no site www.cartamaior.com.br
Também agradeço suas considerações a respeito do livro Florestan Fernandes - vida e obra, de minha autoria.
Abraço, Laurez

CartaMaior
Colunista:
Laurez Cerqueira



DEBATE ABERTO

Suharto: a morte e o silêncio

Margareth Tacher, em meados dos anos 80, chegou a dizer à imprensa inglesa: “Suharto é um de nossos melhores e mais valiosos amigos”. A ditadura de Suharto promoveu o maior massacre da segunda metade do século XX.

Data: 18/02/2008
O general Suharto fechou eternamente os olhos no dia 27 de janeiro deste ano, na Indonésia, e deixou para a história o assassinato em massa de cerca de um milhão de pessoas, coberto por um manto de silêncio. Velado por uma multidão e incensado por condolências de admiradores de vários cantos do mundo, Suharto foi enterrado com honras militares, como estadista. Este fato foi tratado pela imprensa como outro qualquer e misturado no turbilhão do noticiário que desaparece todos os dias no túnel do tempo. O jornal O Globo, por exemplo, em sua manchete, não o tratou como ditador, mas como líder: “Ex-líder indonésio Suharto morre aos 86 anos em Jacarta”. Líder de quem?

O jornalista e documentarista australiano, John Pilger, um dos mais premiados jornalistas investigativos do mundo, esmiuçou a ditadura de Suharto, levantou um volume extraordinário de informações ao longo de sua vida, publicou em jornais, livros, documentário, revelou para o mundo o submundo de um dos regimes mais cruéis da história da humanidade.

Alguns órgãos de imprensa, acanhadamente, falam em 500 mil pessoas, mas Pilger afirma que número de execuções do regime de Suaharto é muito maior, chega a um milhão. É o maior massacre da segunda metade do século XX. Só no Timor Leste foram mortas 200 mil pessoas, em 1975. Além disso, Suharto lidera a lista dos ditadores mais corruptos do mundo. Depois de 30 anos no poder, o ditador acumulou uma fortuna avaliada em 15 bilhões de dólares, o equivalente a 13% da dívida externa do país, da qual o Banco Mundial em grande parte é credor. A família Shuarto controla pedágios, bancos, rede hoteleira, extensões de florestas, rede de imobiliárias, shopping-centers, revendedoras de automóveis e empresas de muitos outros ramos de atividade.

Uma ditadura para proteger negócios
A história da ditadura de Suharto começou por volta de 1965/66, quando comandou as tropas que derrubaram o presidente nacionalista Achmed Sukarno, no governo desde o fim da colonização holandesa. Em 1967, logo depois do golpe, em plena “Guerra Fria”, o grupo Time-Life Corporation promoveu em Genebra uma conferência, realizada em três dias, na qual foi discutida a partilha corporativa da Indonésia. Suharto dividiu a mesa dos trabalhos da conferência com os representantes dos maiores grupos capitalistas do mundo, gigantes dos negócios do Ocidente, como David Rockefeller e outros de mesmo porte.

Mandaram representantes, os principais bancos, o Chase Manhattan estava lá, empresas petrolíferas, a General Motors, a Imperial Chemical Industries, a Britich Leyland, a Britich-American Tobacco, a American Express, a Simens, a Goodyer, a International Paper Corporation, a US Steel e outras. (Vale ressaltar que o grupo Time-Life Corporation, que promoveu essa conferência, é o mesmo que assinou um contrato com a Rede Globo, em 1962, e emprestou 6 milhões de dólares para estruturar a TV Globo e outras veículos de comunicação da família Marinho, segundo o livro “ A História Secreta da Rede Globo”, de Daniel Hertz).

Grande parte dos técnicos indonésios, que acompanhavam Suharto na conferência havia chegado de uma jornada de estudos nas universidades da Califórnia e Berkeley e estavam ali para apresentar as informações sobre os principais atrativos do país: mão-de-obra abundante e barata, recursos naturais à vontade e um mercado potencial inestimável. Na reunião foram discutidas as linhas gerais do que seria uma economia de mercado e os técnicos se encarregaram de detalhar as medidas a serem adotadas.

A Fundação Ford bancou o plano através do Centro de Estudos Internacionais e do Instituto de Pesquisas Stanford. O economista Dave Coler, da universidade de Harvard, foi encarregado de chefiar a equipe e redigir o plano em detalhes. Coler havia concluído a reforma bancária na Coréia do Sul para adaptar o sistema financeiro daquele país ao mercado financeiro internacional. O mesmo seria feito na Indonésia.

A Indonésia repartida
O professor, Jeffrey Winters, da Northwestern University, juntamente com o doutorando Brad Simpson, que analisou os documentos da Conferência, relatou no livro (The News Rulers of the World), que na reunião a Indonésia foi repartida em cinco setores: mineração, serviços, indústria leve, finanças e sistema bancário. Cada setor foi discutido pelas respectivas equipes em salas separadas.

Assim as empresas montaram a infra-estrutura dos negócios e estabeleceram as condições para entrada no país. A Freeport Company ficou com o cobre de Papua Ocidental (Henry Kissinger, atualmente, faz parte do conselho diretor da Freeport); um consórcio americano e europeu ficou com o níquel; a Alcoa ficou com a maior parte da bauxita; um grupo de empresas americanas, japonesas e francesas ficou com as florestas tropicais de Sumatra, Papua Ocidental e Kalimantan. A Cargil, que hoje domina o comércio mundial de alimentos, ficou com as regiões de terras mais férteis, para o agro-negócio. A meta da Cargil era duplicar seu volume de negócios no país a cada cinco anos.

Suharto baixou um decreto isentando os grupos estrangeiros de impostos por cinco anos e criou o Inter-Governmental Group on Indonésia (IGGI), formado por representantes dos Estados Unidos, do Canadá, da Europa e da Austrália, mais o FMI e o Banco Mundial, para gerir a economia do pais. A partir de 1967 a Indonésia foi inundada de dólares. O Banco Mundial, em seus relatórios, referia-se ao governo de Suharto como “o menino-modelo da globalização” e do “milagre da Ásia Ocidental”.

Entre os anos 60 e 90, os chamados “tigres asiáticos” (Indonésia, Coréia do Sul, Taiwan ou Formosa, Cingapura, Tailândia, Malásia e Hong-Kong), eram considerados modelo de desenvolvimento. Seguiam as regras das agências internacionais, cresciam vertiginosamente às custas do capital estrangeiro, de recursos naturais e de mão-de-obra barata da região. Margareth Tacher, em meados dos anos 80, chegou a dizer à imprensa inglesa: “Suharto é um de nossos melhores e mais valiosos amigos”.

O maior massacre da segunda metade do Século XX
O golpe militar levou a Indonésia a um banho de sangue. Depois da conferência, Suharto se convenceu de que era necessário liquidar toda a oposição que ainda restava no país. Assinou vários acordos de cooperação militar e de segurança, principalmente com os EUA e com a Inglaterra. Foi deslocado para a Indonésia o maior contingente de agentes da CIA e instrutores para treinamento das forças armadas e da repressão policial de que se tem notícia. O país foi transformado no maior laboratório de repressão política da CIA no mundo. Essa operação, denominada “operação modelo”, pelos agentes da CIA serviu de experiência para a “Operação Fênix”, no Vietnã, onde esquadrões da morte mataram cerca de 50 mil pessoas e para preparar grupos para atuar em outros países, principalmente na América Latina.

Essa escolha da Indonésia para ser um laboratório de repressão política não foi à toa. Entre 1959 a 1965, mais de 15 milhões de pessoas filiaram-se a partidos políticos ou organização de massa no país, estimuladas a desafiar a influência britânica e norte-americana na região. Segundo o historiador australiano, Harold Crouch, o PKI, Partido Comunista da Indonésia, era o maior partido comunista do mundo fora da URSS e da China, com mais de três milhões de filiados. Um partido que não dispunha de organização suficiente para uma insurreição armada, se restringia à defesa dos interesses dos pobres dentro do sistema vigente. Crescia, aceleradamente, mais que qualquer outro, e se popularizava com as grandes manifestações de massa.

Aos olhos da CIA e de Suharto, o crescimento do PKI representava um perigo para a região. Afinal, no vizinho Vietnã a situação não era boa para os Estados Unidos e aliados.

Entre 1965 e 1966, de posse da lista de filiados e ativistas, Suharto, com a colaboração da CIA e o serviço secreto britânico, segundo a jornalista americana, Kathy Kadane, dividiu a Indonésia em regiões de maior concentração de membros do partido comunista e deu início à perseguição numa chamada “operação limpeza”. Milhares e milhares de pessoas foram retiradas de suas casas e executadas em plena luz do dia. Kadane escreve que os agentes da CIA que acompanhavam os militares na operação iam riscando os nomes das listas, à medida que as pessoas iam sendo executadas. Os relatos das torturas e execuções são inimagináveis, tal a brutalidade dos militares de Shuarto. Pessoas eram seqüestradas e decapitadas, as cabeças apareciam sob muros nas ruas de Jacarta ou de outras cidades.

As matanças foram mais monstruosas em Bali. A escritora inglesa Carmel Budiardjo, ex-presa política, conta que na ilha de Bali foram executadas 80 mil pessoas. As pessoas eram dominadas, as mãos amarradas e executadas. Nas aldeias indonésias, jovens foram trucidados, os pênis arrancados e alinhavados em fileiras para depois contar os mortos. Testemunhas relataram ter visto rios com incontáveis corpos boiando sobre as águas, como toras. Os métodos de tortura adotados nos interrogatórios eram os mesmos utilizados no Vietnã, no Cambodja, na Coréia, no Chile, na Argentina, no Brasil e noutros países.

A ilha de Buru durante muitos anos recebeu milhares de prisioneiros sem alojamento, alimento ou água. Lá morriam. Haru Atmojo, um ex-oficial da aeronáutica, leal a Sukarno, julgado por um tribunal militar especial e condenado à prisão perpétua, hoje vive em Jacarta e conta que passou quinze anos na prisão, em grande parte numa solitária. A primeira cela, nas montanhas geladas de Bandung, conta ele, era tão pequena que não conseguia sequer se deitar. Uma forma de tortura que matava lentamente. Essa prisão foi construída pelos holandeses na época da colonização para encarcerar pessoas pelo prazo de doze dias, antes dos interrogatórios. Atmojo amargou 15 anos nessa prisão e sobreviveu para contar esta e outra histórias de sangue e lágrimas na Indonésia.

Agentes da CIA, que se recusaram a se identificar para imprensa, na época, revelaram que os métodos utilizados nos interrogatórios e na repressão política foram pesquisados em relatos de livros do período da inquisição. Segundo eles, os métodos do Santo Ofício eram muito eficientes e estavam sendo testados na “operação modelo” com muito sucesso.

Robert J. Martens, ex-adido político da embaixada americana em Jacarta e Joseph Lazarsky, subchefe do escritório da CIA também em Jacarta, confirmaram à imprensa que eles passaram ao exército de Suaharto uma lista de 5 mil pessoas, consideradas as mais importantes cabeças do PKI, para serem executadas. Muitas delas queriam vivas para serem interrogadas, mas resistiram à prisão e foram fuziladas. Outras morreram nos interrogatórios. Os agentes da CIA se queixaram de que no início das operações Suaharto não dispunha de esquadrões de matadores e inquisidores suficientes para eliminar e interrogar todas as pessoas da lista. Tiveram que preparar os esquadrões.

A CIA, no início, avaliou o exército de Suharto e o considerou precário para as operações planejadas. Sugeriu a Washington, em relatório, investir em equipamentos. O pedido foi atendido prontamente. Uma rede completa de comunicação foi levada em vôos noturnos a Jacarta, por aviões da força aérea americana baseada nas Filipinas. Os equipamentos eram de última geração com freqüências altas, conhecidas da CIA e da Agência de Segurança Nacional que assessorava o ex-presidente Lyndon Johnson.

A indústria de armas, naquela época, crescia a níveis inimagináveis. As ditaduras se espalhavam pelo mundo como erva daninha e os acordos de cooperação militar proliferavam nos moldes da doutrina de segurança nacional. Além da Indonésia, Índia, Paquistão, Iraque, Israel e outros, são exemplos de países que foram às compras no mercado de armas. Estados Unidos e Inglaterra lideravam a venda. Na década de 80, no governo de Margareth Tatcher,quase metade das verbas destinadas à pesquisa e desenvolvimento foram destinadas à pasta da defesa. Naquela época, a Indonésia foi beneficiada por um empréstimo subsidiado pelo governo britânico, quase uma doação, de 1 bilhão de libras esterlinas para compra de caças-bombardeiros. O serviço secreto britânico já dispunha de informações suficientes para sugerir à Primeira-Ministra algo do gênero, tendo em vista os negócios britânicos na região.

O mundo girou, o tempo passou e a crise chegou
Na segunda metade dos anos 90 a crise chegou aos “tigres asiáticos” de forma devastadora. Os “tigres asiáticos” se transformaram em “tigres de papel”. As economias que eram centradas no direcionamento da indústria para exportação de bens de consumo, em altos investimentos externos e no aproveitamento de mão-de-obra barata e qualificada, começaram a dar sinais de esgotamento no início dos anos 90, com o declínio das exportações, aumento do déficit público e maior dependência de empréstimos estrangeiros.

Essa necessidade de financiamento externo tornou os “tigres asiáticos” presas fáceis dos ataques especulativos, que começaram a ocorrer em julho de 1997 e tiveram seu ápice em meados de 1998. As bolsas despencaram na região e as economias daqueles países foram à bancarrota. Naquela época a grande gambiarra eletrônica e financeira internacional movimentava mais de 2 trilhões de dólares por dia. Hoje supera 3 trilhões de dólares. Em essência, esse mercado é responsável pela captação da poupança da sociedade para aplicá-la nos negócios mais lucrativos, realizam lucros espetaculares e migram para outras praças.

A crise tinha como epicentro as economias do Japão e da Federação Russa. No final de 1997, a quarta maior instituição financeira do Japão, a Yamaichi Securitis, decretou falência. As autoridades monetárias japonesas revelaram naquele momento que as instituições financeiras do país totalizavam mais de 580 bilhões em títulos podres, de difícil recebimento. O sistema financeiro japonês entrou em colapso. Os bancos pararam de emprestar dinheiro, levando à falência inúmeras empresas. Para compensar as perdas causadas pela inadimplência, os bancos japoneses resolveram retirar dinheiro de outros mercados, principalmente dos “tigres asiáticos”.

Suharto não servia mais aos negócios do Ocidente. O país estava com uma dívida de 262 bilhões de dólares, valor correspondente a 170% de seu produto interno bruto. O Tribunal de Contas do governo dos Estados Unidos examinou a situação financeira da Indonésia e constatou que o Banco Mundial havia perdido 10 bilhões de dólares naquele país. O Tribunal informou ao Senado detalhes sobre propinas, desvios e fraudes, que o Banco ignorara nos relatórios internos, para não contrariar a família Suharto e seus amigos. Os relatórios indicavam que pelo menos 30% dos empréstimos do Banco estavam sendo desviados para funcionários e políticos do GOI – Governo da Indonésia.

Uma onda de protestos, puxada pelos estudantes, contra o governo e a intervenção do Banco Mundial e FMI, tomou as ruas de Jacarta e de outras cidades. Nos confrontos os militares levaram para as ruas os veículos blindados britânicos anti-motim, mas já era tarde. Shuarto não resistiu aos protestos e caiu em junho de 1998, deixando em seu lugar Jusuf Habibie, um de seus delfins.

A Indonésia é hoje um dos países de maior desigualdade no mundo, com mais de 70 milhões de pessoas pobres, condenadas a pagar as dívidas contraídas pelo ditador. A agricultura familiar deu lugar ao agro-negócio, milhões de famílias foram expulsas das terras, numa verdadeira diáspora, e se amontoaram nas periferias das grandes cidades, em condições subumanas, vivendo em favelas, com esgotos a céu aberto, condenadas ao mercado de trabalho informal ou, quando na indústria, ganhando salários que mal dá para a ração de subsistência.

A agricultura auto-sustentada foi varrida do mapa, dando lugar ao sistema diarista, concebido pelo Banco Mundial, como “solução” para a multidão que perdeu suas terras. Enfim, esse é um breve resumo da história do maior massacre populacional da segunda metade do século XX. Suharto cerrou os olhos, definitivamente, sem nunca ter sido julgado por um tribunal. A imprensa brasileira olhou de soslaio o ditador em seu leito de morte. Se ele tivesse sido um ditador anti-Ocidente, certamente seu currículo de atrocidades teria sido muito bem divulgado pela imprensa brasileira. Como disse, em tempos idos, Franklin Roosevelt sobre o ditador dominicano, Rafael Trujilo, “Ele pode ser um filho da puta, mas é nosso filho da puta”.

 
Às 18/4/08 1:28 PM , Blogger Cássio Augusto disse...

Grande Laurez... é uma honra ter seu comentário aqui no Blog!!!

meu e-mail é: cassionl@yahoo.com.br

Abraços!!!

 
Às 18/4/08 4:34 PM , Blogger Eduardo disse...

dae cássio..
ta legal seu artigo na revista..
apesar d ser extremamente d direita..
concordo com vc.... os meios de comunicações
tendem a seguir uma linha mais de direita
de acordo com a faixa da população
para qual a revista é vendida...
mas é compreensivel visto q no brasil
quem manda nos meios de comunicaçoes
são meia duzia d familias.. q tem laços
com a politica e o poder do pais....
e no caso no MST.. deve-se fazer um
debate realmente, pq do jeito q sao feitos
os assentamentos é uma brincadeira..
o cara ganha a terra... um pouco d dinheiro
e ninguem controla mais nada..
se ele gasta com carro...som....etc...ninguem sabe
além de criar uma legião d pessoas
q ficam sempre esperando q o governo
faça algo por elas... a reforma agraria é necessária ...mas o sistema pós assentamento
é terrivel....

flw.. abraços.. tucanos...srsrsr

 
Às 19/4/08 12:28 AM , Anonymous Vinni Corrêa disse...

Caro Cássio, gostaria de parabenizá-lo pelo brilhante artigo. Muito bom mesmo. Porém, gostaria de ressaltar que duas pessoas que aqui comentaram parecem não tê-lo entendido. Além disso, estão um pouco desinformadas quanto ao MST. Mas volto a parabenizar a sua importante contribuição, bem explicativa e profunda, demonstrando como a Revista Veja tenta incriminar esse glorioso movimento, um dos maiores do mundo, que é o MST. Aproveito para convidá-lo ao meu blog - www.vinni.web.br.com - a ler os meus três últimos artigos que abordam o MST e a mídia.

Grande abraço!


Vinni Corrêa
www.vinni.web.br.com

 
Às 19/4/08 9:28 AM , Anonymous Marcelo Augusto Oliva disse...

Grande Dr. Cassio. Um cara que admiro pela luta de vida, e, tambem pelos seus ideais. Mas como nem mesmo JESUS CRISTO foi unânime, pois a unanimidade é burra, discordo de alguns pontos de vista do meu amigo Cassio. Entendo que quando surgiu o MST em nosso país, o ideal do mesmo era perfeito, pois buscava a tão sonhada reforma agrária no Brasil, porém, como tudo "infelismente" em nosso país sempre existe interesses escusos, eleitoreiros, e, especialmente particulares, o movimento teve infiltrações de pessoas com intenções pessoais, como também infiltrações de pessoas que podemos considerá-las, com o perdão da palavra "bandidos" travestidos de coitadinhos, que na verdade estão tão somente imbuidos em tirarem proveito da desgraça do homem do campo. Tenho conhecimento de causa, pois nasci próximo a região do maior conflito fundiário já existente em nosso país, qual seja, o Pontal do Paranapanema,onde aquele movimento "MST" tem como líder JOSE RAINHA. Conheço pessoas que engajaram no MST tão somente para obterem vantagensfáceis, pois, acampados a beira das rodovias e das cercas que cercavam as fazendas que pretendiam invadirem, eram "sustentados" pelo governo democrático de nosso país, quem sabe se pela força democrática ou pelas ameaças que estes perpetravam, com invasões de terras e de orgãos públicos, eram e é, sustentados por nós que pagamos impostos, que trabalhamos de sol a sol, com dificuldades, onde nossos impostos são revertidos a "boa vida" que estes que se dizem sem terras, mas na verdade pretendem obterem boa vida, pois embaixo das barracas o governo manda cestas básicas, ajuda de custos, tratores, quedeveriam serem utilizados para a lavra das terras, mas não, são usados para o transportes de pessoas nas invasões. Recentemente, presenciamos mais uma das barbaridades perpetrada pelo MST com a invasão de prédios públicos (Caixa Economica Federal) em Brasilia, e que não possuem nenhuma relação com o movimento destes. Entendo que, se tivéssemos pessoas com boas intenções em nosso país, a REFORMA AGRÁRIA deveria ser feita, mas como já disse DE GAULLE na década de 40, "O Brasil não é um país sério", infelismente temos que admitirmos que a Refroma Agrária da forma como estão fazendo no nosso país, jamais vai dar certo, pois assenta-se as famílias na propriedade rural, e as mesmas são abandonadas pelos antigos parceiros (MST), e ficam a DEUS DARÁ, pois pensam que o governo vai contunar a sustentá-los, e como na verdade, não são "homem do campo" não tem condições de sobreviverem da terra, e consequentemente, abandonam suas terras, e retornam aos acampamentos, pois lá, novamente viverão das "TETAS DO GOVERNO" sustentados por nós cidadão que trabalham e pagamos impostos, que são administrados por pessoas (políticos)inescrupulosos que na verdade não pensam no POVO, mas sim, tão somente em sí próprio. O Governo LULA esta colhendo o que plantou, e sabemos que o POVO BRASILEIRO esta muito mal acostumados, sempre esperando ser sustentados pelo governo, e por não dizer por nós pessoas de bem.

 
Às 19/4/08 3:58 PM , Anonymous Márcio Pimenta disse...

Parabéns pelo artigo, o primeiro a gente nunca esquece. Guardo com carinho meu até hoje.

Bom, o tema é sem dúvida muito pertinente. Você abordou algo que a imprensa tenta vender como se não houvesse um outro lado na questão.

Abraços!

 
Às 19/4/08 4:06 PM , Anonymous Vinni Corrêa disse...

Cassio, o Jornal O Globo teve o disparate de dizer que a reforma agrária é coisa do passado e que a agricultura brasileiro se modernizou. Só faltou eles falarem que quase não há pessoas sem terra para produzir, sem pessoas a passar fome. Incrível!

Mais uma ve parabéns pelo se blog!

Abraços!


Vinni Corrêa
www.vinni.web.br.com

 
Às 20/4/08 1:53 AM , Anonymous Arhurius Maximus disse...

O artigo é realmente muito bom.
A revista Veja é um exemplo clássico de mídia manipulada por interesses.

E, logo, sua credibilidade tem o mesmo valor de um pedaço de lixo.

Contudo, o MST realmente vem excedendo-se. As últimas posturas e invasões de áreas produtivas e em especial os ataques a Vale, estão fora da "normalidade".

Baderna e liberalidade não é democracia. Com suas fileiras infiltradas de espertalhões e pessoas com o único objetivo de usar o movimento legítimo como trampolim político ou ainda pessoas que vivem e vender as terras que ganham nos assentamentos; o movimento vem perdendo sua credibilidade rapidamente. E, se continuar assim, passará a ser visto como um bando, muito em breve.

Imparcialidade na imprensa é algo impossível. Sempre haverá anunciantes, proprietários, amigos dos amigos e baba-ovos inserindo sua influência nos meios de comunicação de massa. É assim em todo o mundo. A imprensa é o quarto poder.

Exemplos clássicos não faltam.

Belo artigo mais uma vez.

 
Às 20/4/08 10:18 AM , Blogger Prof Toni disse...

Belo artigo, já virou material didático! Abração.

 
Às 20/4/08 10:21 PM , Blogger Dorian disse...

Cássio,

Seu artigo se insurge contra a revista Veja mas não dá argumentos que desmontem as teses defendidas pela revista. Que a Veja é tendenciosa não se discute, mas se ela mente, seu artigo teria que mostrar por quê são mentiras e não o fez. Ao reduzir a questão ao enfoque puramente ideológico, seu artigo ecoará apenas entre os que já estão convencidos de sua tese.

É indiscutível também que Lula e o MST se amparam. Nas eleições de 2006, um dos líderes do movimento, José Rainha chegou a afirmar que só iriam invadir terras após as eleições para não prejudicar Lula.

Em relação ao que você define como "ódio à esquerda" quando a revista associa o Marxismo a termos pejorativos e ao banditismo. Você encerra o parágrafo explicando tudo: "Uma verdadeira falácia de quem realmente não conhece a teoria". Realmente, a teoria é uma coisa e a prática outra, vide os milhões de mortos e perseguidos em nome da causa.

Mas de toda forma parabenizo-o pela projeção e pela honestidade intelectual em defender aquilo em que acredita.

 
Às 22/4/08 4:34 PM , Anonymous Rosa Dourado disse...

Bravo garoto! Estou orgulhosa de você!
Parabéns pelo belo artigo, pela coragem em defender assunto tão polêmico. Não vou opinar sobre o assunto, por falta de conhecimento de causa, mas você colocou muito bem o seu ponto de vista. Rosa Dourado.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



Free counter and web stats