13 dezembro 2007

O primeiro fanfarrão:


Ao ver os discursos da nossa direita, de seus representantes no congresso, da decadente revista Veja e seus pupilos Reinaldo Azevedo e Diogo Mainard entre outros tantos, ficamos nos perguntando de onde saiu tanta besteira, ou seja, será que é tudo fruto da cabecinha pequeno-burguesa dessa elite ou eles possuem um pai? Pois é, possuem sim, e se chama Thomas Malthus.

Nosso primeiro fanfarrão viveu de 1766 a 1834, período conhecido como Revolução Industrial. Quando uma revolução acontece é preciso uma filosofia para legitimar a nova ordem que se impõe, então, Malthus e suas idéias prestaram-se a este serviço.

Em 1798 ele lança o livro “Ensaio sobre o princípio da população” em que dizia que a produção de alimentos cresce em nível aritmético, já a população cresce a índices geométricos, ou seja, a quantidades de bocas para alimentar cresce mais rápido que a quantidade de alimentos produzidos. Até aqui tudo bem, podemos concordar com ele.

Mas nosso fanfarrão usa isso para dizer que a miséria é inevitável, a fome é inevitável, e mais, que ser pobre é culpa dos pobres que ficam por aí fazendo filhos. Felizmente para ele existiam as guerras, as epidemias, os desastres naturais e a própria fome para fazer controle de população. (a guerra do tráfico também é controle de população, a falta de saneamento básico, os “PPP” presos e etc...)

Calma gente, ainda tem mais coisas: Para Malthus, sabe o que o Estado deve fazer para diminuir isso? Absolutamente nada! Isso mesmo, essa coisa de hospital de graça, escola de graça, aposentadoria para velhinhos e afins serve apenas para a população aumentar ainda mais (leia-se, população de pobres!), logo, os defensores destas idéias seriam os malfeitores da humanidade.

A distribuição de renda (tipo um bolsa família) era inadmissível, e cobrar impostos dos ricos para distribuir renda então... (tipo uma CPMF sabe?) afinal, segundo Malthus, os únicos responsáveis pelo desenvolvimento da economia eram os ricos (e os braços eram de quem?), das artes e das ciências idem. Isso estaria impedindo o progresso da humanidade, o desenvolvimento da indústria e do comércio, ou seja, estava-se impedindo o bolo de crescer e com isso do pobre deixar de ser pobre! Falácia!

Assim, a ajuda do Estado aos pobres serve apenas para estimular a preguiça, fazendo com que o pobre não trabalhe, pois é apenas na necessidade que o miserável vende a única coisa que lhe restou, sua força de trabalho, e pelo preço que o patrão quiser papar, pois se ele não quiser, existe um imenso exército de reserva...

Vou ficando por aqui, para os heróicos que leram o texto seria pertinente um comentário, mas quero deixar ainda a mensagem principal: Tudo o que vemos e ouvimos hoje da nossa direita é apenas repetição de um discurso que visa legitimar o sistema exploratório e que vem desde a Revolução Industrial... e ainda acusam os “vermelhinhos” de ficar repetindo clichês do século passado. Vai ler cambada de reaça!

5 Comentários:

Às 14/12/07 12:00 AM , Blogger Dorian disse...

Cássio,
A teoria de Malthus tem o limitador da época em que ele viveu. Sua visão não alcançou o desenvolvimento tecnológico,do conhecimento humano e das relações sociais que aconteceram nos anos posteriores a ele. Por esse motivo atualmente ninguém leva suas idéias a sério. Seu nome só é lembrado quando se quer dar um exemplo de pessimismo ou de erro de previsão.
Outro ponto importante que deve ser considerado em seu raciocínio é que desejar ter uma massa servil a disposição não é prerrogativa da "direita". Quem sempre utilizou e se utiliza desse expediente são exatamente as ditaduras de esquerda que necessitam de pobres manipuláveis para poderem ter seu poder legitimado.

 
Às 18/12/07 11:45 AM , Blogger Arthurius Maximus disse...

A grande verdade é que os que hoje posam de "heróis" nada mais são do que uma escória que nunca abriu mão de nada em favor do povo. e que usa as massas apenas como manobra e trampolim para alcançar seus objetivos particulares. O fim da CPMF favoreceu apenas aos que ganham muito e aos sonegadores. Sem contar, é claro, aos portadores de cuecas endinheiradas.

 
Às 18/12/07 6:07 PM , Blogger Mauro Sérgio disse...

Salve Cássio. Salve Dorian.

Fazendo um acréscimo ao comentário do Dorian, lembro a ele que quem se utilizou e se utiliza de massas servis, por excelência, é a direita. Basta ver o coronelismo ainda tão comum no nordeste, bem como o assistencialismo de muitos deputados e vereadores dos grandes centros. Com o agravante de que a direita tem grande parcela de culpa no fato de haverem tantas massas sem perspectivas a mercê de oportunistas de qualquer ideologia, ou sem ideologia nenhuma.

Lembro também que, por mais que isso não devesse acontecer, Malthus ainda é muito levado a sério sim , senhor. Não tem nem um mês que o governador aqui do Rio defendeu a liberação do aborto como uma maneira de reduzir nossas mazelas porque comunidades pobres como a da Rocinha são "fábricas de marginais". Se não é malthusiano, é muito parecido.

Um abraço fraterno a todos!

PS: Cássio, vc me pergunta quem financia as escolas de samba. Basicamente, órgãos oficiais das três esferas de governo, empresas e, em alguns casos de difícil comprovação, organizações criminosas, como o tráfico e o jogo do bicho, que porcuram lavar dinheiro.

Ironicamente, o dinheiro que permite maior liberdade de criação (e mais crítica, consequentemente) é exatamente o do crime. Não é raro que empresas e governos condicionem o patrocínio aos rumos do enredo desenvolvido.

 
Às 20/12/07 1:41 PM , Blogger Marcio disse...

Estou de acordo com o Dorian.

E seus textos estão cada vez melhores.

Abraços!

http://www.pimentanosolhos.net/

 
Às 20/1/08 12:56 PM , Anonymous wilson rezende - wilsonrezende.zip.net disse...

Pobre alienado, o PT também é direita, afinal o que é direita para você?

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



Free counter and web stats