30 novembro 2007

Onde está o dinheiro?


Foi divulgado estes dias o relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento que mede o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) dos países. Não é a pretensão deste texto caracterizar do que se trata, para isso existe o Wikipédia. Ao ver alguns números que vão sendo divulgados, ficamos numa sensação dúbia de alegria e tristeza.

É bom ver os números que apontam a melhoria do Brasil, que apesar de não ser tão vertiginosa é mesmo real e já vem de alguns anos. Chegamos agora ao índice mínimo aceitável, mas ainda estamos atrás de países como Omã, Trinidad e Tobago, Tonga, Malta, Brunei e Barbados, apenas para ficar nestes exemplos de países sem expressão no cenário comercial e político mundial. Interessante que também estamos atrás de “ditaduras” como Cuba e Líbia.

Melhoramos também nossos índices de alfabetização, sabemos ler, mas nem sempre sabemos interpretar, mas isso é outra coisa, pelo menos nossas crianças estão na escola, nem que seja pela rala merenda. Estamos também vivendo mais, em média 71 anos, apesar que as aposentadorias servem male-mal para pagar os remédios.

Mas o dado que mais me chamou a atenção foi quanto à nossa renda per capta. Funciona assim, simplificando, soma-se todo o valor que o brasileiro ganha no ano e divide pelo número de pessoas, a média é a nossa renda per capta. Então, nossa renda média por brasileiro é de US$ 8.402,00 por ano, cerca de R$ 15.123,00.

Ora, isso é um absurdo. Cadê a minha fatia do bolo? A maioria da população que ganha salário mínimo recebe no ano R$ 4.560,00. Diferença enorme. É a desigualdade social que presenciamos todos os dias. E tem gente, a nossa querida direita/oposição/veja que faz discurso contra isso, mas que são os principais beneficiados. Abre o olho povo brasileiro! E vamos escolher melhor nossos legisladores, vamos defender um melhor acesso à universidade pública para os mais carentes, vamos pra rua ou pelo menos pra internet...

4 Comentários:

Às 1/12/07 2:29 PM , Blogger Dorian disse...

Cássio,
A divisão da renda é impossível de ser proporcional. A renda per capita nada mais é do que um dado para análise estatística.
Seu comentário lembra uma antiga piada em que um amigo diz para o outro que no mundo há 3 mulheres para cada homem, no que o outro imediatamente diz que algum malandro tá com cinco, pois ele tem apenas uma!!!!

 
Às 1/12/07 4:01 PM , Blogger Fellipe Matheus disse...

A alta renda per capita, num país como o Brasil, onde apenas 5% da população ganha mais de oitocentos reais, só demonstra o tamanho da concentração de renda. Felizmente, o Coeficiente Gini melhorou em 21%, com maior distribuição de renda, graças ao Bolsa Família, que a direita abomina.

Sobre a "Comunistas Caricatos", eu conheço bem aquela raça. Lá, sou conhecido como "Fellipe, o feio", em referência a "Filipe, o belo". Também já tentei debater com eles, mas não demorou e começaram a partir para os xingamentos e lugares- comuns estilo "assassino", por isso não prossegui no debate.

Eles são cômicos!
abraço.

 
Às 1/12/07 4:28 PM , Blogger João Carlos disse...

Pelo que entendi vc propõe que a renda per capita seja distribuida igualmente entre todos os brasileiros, por decreto. Como isso funcionaria? Será que essa medida "Robin Hoodiesca" não causaria uma crise econômica e inflacionária?

 
Às 1/12/07 10:16 PM , Anonymous Victor disse...

Exatamente Dorian, é impossivel que a renda de todas as pessoas seja proprocional, pra isso acontecer só se um ente todo-poderoso intervisse e força-se essa situação. Mas isso ocasionária, ao mesmo tempo, uma queda brusca das atividades econômicas (afinal de conta,aqueles que tiveram sua renda roubada não terão incentivos nenhum de produzir mais, já que tudo o que eles produzirem e que passe do teto da renda será confiscado mesmo...). Poderia se argumentar que esse ente todo-poderoso poderia se apropriar então de toda a atividade econômica e da geração de riquezas, mas uma observação histórica mostra que em todos os lugares que a econômia foi regida dessa forma (planificada) ela se tornou ineficiente. Na Russia pós-1917 isso foi tentado, e o que aconteceu foi a total paralização das fabricas e uma queda abissal da produção agricola, e a situação só foi revertida graças a NEP, Nova Policia Econômica de Lenin, que fez algumas "conseções" ao capital.
É por essas e outras que um nivelamento forçado da renda e econômia planificada nunca funcionaram, não funciona e jamais funcionarão, mas tem gente que ainda acusa o "capital", a "burguesia", a "ideologia dominante" ou a "Veja" de serem os unicos culpados por tais fracassos...

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



Free counter and web stats