27 junho 2007

Poética - Manoel Bandeira

Estou farto do lirismo comedido
Do lirismo bem comportado
Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente
protocolo e manifestações de apreço ao Sr. diretor.
Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário
o cunho vernáculo de um vocábulo.
Abaixo os puristas
Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais
Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção
Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis
Estou farto do lirismo namorador
Político
Raquítico
Sifilítico
De todo lirismo que capitula ao que quer que seja
fora de si mesmo
De resto não é lirismo
Será contabilidade tabela de co-senos secretário do amante
exemplar com cem modelos de cartas e as diferentes
maneiras de agradar às mulheres, etc
Quero antes o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbedos
O lirismo difícil e pungente dos bêbedos
O lirismo dos clowns de Shakespeare


— Não quero mais saber do lirismo que não é libertação

6 Comentários:

Às 28/6/07 1:02 AM , Blogger Marcilon Oliveira disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às 28/6/07 1:05 AM , Blogger Marcilon Oliveira disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às 28/6/07 1:07 AM , Blogger Marcilon Oliveira disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às 28/6/07 1:14 AM , Blogger Marcilon Oliveira disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às 28/6/07 7:36 PM , Blogger Marcilon Oliveira disse...

Admirável Cássio!

Tornou-se cabuloso acompanhar, via Mídia ou bastidores, os trâmites da política neste país.
Como nos custa caro crer numa conjuntura fadada ao desmonte de nossas convicções morais e éticas.

ÉTICA.
Como tem faltado essa "coisa" entre os de cá e os de lá...

Democratas e Republicanos agora encenam uma tragédia suicida que estirpa de nós o único sopro de crença de que as pessoas realmente pudessem dizer a verdade estando diante do seu semelhante.

Arranquem-lhe as cores partidárias e dissimulações todas, façam-lhes olhar a/na cara dos que fome passaram/passam fome ou privações dos Direitos mais elementares - como acesso aos serviços básicos - por conta de seus muito bem articulados papéis de detentores das aspirações e vontades populares.

Meu Deus!
Sem Lirismo ou Ode, mas rogo-lhe que purifique essa gente; é sangue e lágrima demais de uma gente anônima que "perambula" país afora, à procura de um Direito apenas O DE ACREDITAR.


Bjão em seu coração, valioso Amigo.

 
Às 19/7/07 8:54 AM , Anonymous A SACERDOTISA disse...

Oi,Cássio

Cheguei aqui por intermédio do Reação Cultural e gostei.

beijocas

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



Free counter and web stats